Entenda o motivo do XRP ser a pior criptomoeda do ano até aqui

XRP da Ripple apresenta um desempenho muito aquém do esperado pelos seus principais defensores

O XRP da Ripple teve passado por um período desastroso nos últimos dois anos. Em um momento em que outras criptomoedas de grande capitalização tentaram um retorno, o XRP ficou para trás significativamente. O ativo digital emergiu como o pior desempenho entre as 20 principais criptomoedas durante o primeiro trimestre de 2020.

À US$ 0,20, a criptomoeda que possui laços estreitos com a empresa Ripple, com sede em San Francisco, permanece 94% abaixo da máxima histórica de janeiro de 2018. Dados da plataforma de pesquisa Messari recentemente nos deram uma visão sob o capô para identificar o motivo pelo qual o token teve um desempenho sombrio.

A Messari observou que isso pode ter algo a ver com o suprimento circulante da moeda, que subsequentemente resultou no XRP tendo a maior taxa de inflação entre as criptos de grande capitalização.

20,5%: a taxa de inflação do XRP é bastante alarmante

Os dados fornecidos pelaMessari mostram que agora há 20,5% mais XRP em circulação este ano em comparação com o ano passado. Isso ocorre porque o XRP tem uma taxa de inflação anual de 20,5% – a mais alta entre as criptomoedas de grande capitalização.

Here’s The Real Reason Why Ripple’s XRP Has Performed The Worst Among Large-Cap Cryptos

Ainda segundo a Messari, atualmente existe aproximadamente US$ 29,86 bilhões em tokens XRP em circulação. Isso equivale a apenas 30% do suprimento máximo da moeda. Para comparação, 87,5% da oferta máxima da BTC já está em circulação.

Entretanto, a razão pela qual o suprimento circulante do token está disparando a uma taxa chocante não é um mistério. A Ripple, empresa de blockchain por trás do token, desbloqueia US$ 1 bilhão de XRP no início de cada trimestre. Milhões desses tokens são usados ​​para o crescimento do ecossistema da Ripple por meio de investimentos e parcerias estratégicas.

Embora, na realidade, a Ripple precise vender moedas para expandir a utilidade do token, essa estratégia não foi bem recebida pela maior parte da comunidade cripto, pois acredita-se que as vendas constantes inibem o crescimento do valor do XRP.

A Ripple desbloqueou pelo menos US$ 5 bilhões em XRP da custódia até agora. Com US$ 49,4 bilhões ainda bloqueados em carteiras de garantia, é provável que as vendas continuem nos próximos 21 anos.

Como outras criptos de grande capitalização se saíram

Além do XRP, a Tezos (XTZ) é a única outra grande criptomoeda com uma taxa de inflação relativamente alta, de 13,1%. Mas, diferentemente do token da Ripple, a Tezos teve um bom desempenho nos últimos meses, com mais de 55% de ganhos no ano. A moeda chegou a consolidar sua posição entre as dez principais criptomoedas. A maioria dos observadores acredita que o XTZ está brilhando devido ao seu modelo de segurança, Proof of Stake (PoS), que está ganhando força no setor cripto.

Outras grandes criptomoedas como Ethereum (ETH), EOS e Litecoin (LTC) têm uma taxa de inflação de 4,7%, 2,6% e 5,1%, respectivamente.

O  Bitcoin, por sua vez, concluiu recentemente seu terceiro halving. Como tal, a recompensa de 12,5 BTC foi reduzida para 6,25 BTC, resultando em menos Bitcoins sendo cunhados por dia. A taxa de inflação do BTC agora é de 3,8%, mais baixa que a do ouro. Também é significativamente menor que a taxa de inflação do XRP.

Enquanto isso, o XRP é avaliado em US$ 0201346 no momento da publicação, uma alta de 3,81% no dia.

Fonte: ZyCrypto

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader desde 2017. Aficionado por tecnologia e entusiasta das criptomoedas, viu no WeBitcoin a oportunidade de unir duas paixões.