EOS lidera novamente o ranking de blockchains da China, Bitcoin ainda fora dos 15 maiores

O governo chinês publicou sua terceira edição do ranking de blockchains públicos, e a EOS — quinta maior criptomoeda por capitalização de mercado — novamente ocupou o primeiro lugar.

Leia mais: CoinMarketCap reformula as listagens de exchanges em resposta às acusações de volumes adulterados

EOS é o melhor blockchain no ranking chinês pelo segundo mês consecutivo

Estes rankings, publicados pela China Electronic Information Industry Development (CCID), avaliam as redes de blockchains públicos de acordo com três métricas, sendo elas tecnologia, aplicabilidade e inovação, que então são compiladas em uma avaliação geral.

Embora tenha notas menores do que seus semelhantes em aplicabilidade (coluna do meio), a EOS lidera os rankings com uma pontuação geral de 145,6, tendo em vista suas fortes demonstrações de tecnologia (coluna da esquerda) e inovação (coluna da direita).

Os avaliadores estão claramente impressionados com o algorítimo de consenso da EOS, que utiliza um modelo de proof of stake delegado (DPoS) para priorizar escalabilidade e velocidade, embora perca em descentralização. Os rankings claramente favoreceram projetos que utilizam DPoS ou modelos de consenso federados, que oferecem transações rápidas e mais baratas, porém, incitam mais críticas em decorrência do grau de centralização.

Leia mais: Reino Unido inicia pesquisas sobre reforma legislativa para abarcar o uso de smart contracts

Uma exceção parcial a esta regra é o Ethereum, que utiliza um algorítimo de consenso Proof of Work (PoW), mas já publicou um roadmap detalhando uma futura transição para Proof of Stake.

Isso faz sentido, tendo em vista que pelo menos um oficial do governo chinês já falou publicamente que blockchains devem ser centralizados, embora nenhuma das redes de criptomoedas sejam tão centralizadas da forma como o referido oficial acredita ser ideal.

China deixa Bitcoin de fora dos 15 maiores

A EOS também liderou a última edição da lista, apesar do fato de — dias antes — sua rede ter sido paralisada durante horas em virtude da descoberta de um bug crítico. O bug foi resolvido de forma relativamente rápida, embora outros incidentes tenham levantado questões sobre o modelo de governança da criptomoeda, especificamente sua constituição.

Notadamente, a diferença entre a EOS e Ethereum, segundo colocado da lista, foi encurtada. Isto porque a pontuação da EOS caiu de 161,5 para 145,6, enquanto o Ethereum se manteve firme em 137,3. No primeiro ranking, Ethereum foi o primeiro colocado, embora a primeira lista tenha sido publicada antes da ativação do blockchain independente da EOS.

Os blockchains restantes que integram os dez maiores são, em ordem: Nebulas, GXChain, NEO, Stellar, Steem, Lisk, Waves e Komodo — estando os dois últimos empatados em nono.

Continuando a tendência do mês passado, o Bitcoin não conseguiu ficar nem mesmo entre os 15 maiores. A grande critomoeda ficou na 16ª posição, algo que não deixou de ser um avanço, tendo em vista que ela esteve no 17º lugar em junho. Sendo desnecessário dizer, este ranking é controverso, haja vista que Bitcoin — considerada amplamente por ter os mais talentosos desenvolvedores da indústria  — tem uma pontuação no quesito tecnologia de 44,3, a pior entre todos os projetos avaliados no relatório.

Notadamente, a lista serviu para apreciar o trabalho de Dan Larimer, que atualmente é CTO da startup Block.one. Três atuais e antigos projetos com os quais Larimer esteve envolvido — EOS, Steem, e BitShares — garantiram lugares entre os 11 maiores.

Leia mais: Ex-assessor de Trump, Steve Bannon, deseja criar sua criptomoeda

Fonte: CCN