Estímulo adicional do Fed é combustível para o momento do ouro e do Bitcoin

Fed já realizou diversos estímulos na economia dos Estados Unidos em 2020

Hoje de manhã, o presidente do Federal Reserve (Fed) se dirigiu ao mundo através de um webcast e revelou que os Estados Unidos provavelmente enfrentarão um “período prolongado” de baixo crescimento econômico e renda à medida que o mundo se recupera do impacto do lockdown.

Powell diz que, embora a resposta dos Estados Unidos tenha sido “rápida e vigorosa”, os pacotes de estímulo anteriores e os planejados para o futuro levarão tempo para ganhar impulso. A presidência do Fed também está incentivando os gastos dos consumidores para combater ainda mais qualquer desaceleração econômica adicional e prometeu que o Fed usaria mais do seu poder de imprimir dinheiro, se necessário.

Embora os esforços de estímulo que levam tempo para ganhar impulso possam ser um desafio para o Fed e a economia dos EUA, é um benefício para ativos de refúgio, como ouro e Bitcoin, que atingiram recentemente níveis de resistência fundamentais.

Os dois ativos têm uma oferta limitada, tornando-os “hard assets” ideais para o capital ser armazenado durante períodos de inflação. E com mais dinheiro sendo impresso para evitar mais recessão econômica, o ouro e o Bitcoin devem mostrar seu verdadeiro valor nos próximos meses.

Transformação econômica e inflação devido a estímulos poderão levar Bitcoin e ouro à novas altas históricas (ATH)

Bitcoin e ouro, no entanto, estão lidando com uma resistência crítica de sobrecarga, impedindo-os de se recuperar ainda mais, apesar do tumulto que a economia está enfrentando.

As verificações de estímulo estão indo em direção aos ativos, mas a obtenção de lucros nesses níveis-chave após uma forte alta nos últimos dois anos está mantendo os preços sob controle e impedindo uma nova fuga.

O ouro está enfrentando a antiga resistência das altas faixas de negociação de todos os tempos, definidas no auge da última recessão. Naquela época, os preços do ouro dispararam para um pico de US$ 1.900. Agora, os analistas estão antecipando que o metal precioso atinja preços de US$ 2.000 a US$ 3.000 a onça, antes de uma retração maior na metade do ano.

O Bitcoin, contudo, está sendo negociado pouco acima de US$ 9.000, depois de algumas tentativas de violar US$ 10.000 ao longo de 2020 até agora. O ativo recentemente passou pelo seu “halving”, que tornou a já escassa oferta ainda mais reduzida.

As últimas notícias vindas de Powell e do Fed podem ter o potencial de empurrar esses ativos além desses níveis de resistência difíceis de quebrar, tendendo a estabelecer novos máximos de todos os tempos.

Fonte: Bitcoinist

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.