Facebook diz que pode ter que parar de operar na UE em meio a novas regras de transferência de dados

A empresa tem 410 milhões de usuários mensais na região

O Facebook diz que pode ser forçado a suspender suas operações na UE, depois que o órgão irlandês de privacidade deu a ele três semanas para interromper todas as transferências de dados de usuários para os EUA. A empresa explica que “não está ameaçando se retirar da Europa”, mas levou a questão aos tribunais por acreditar que foi injustamente alvo de uma prática comum entre muitas organizações americanas que operam na região.

No mês passado, a Comissão de Proteção de Dados (DPC) da Irlanda enviou ao Facebook uma ordem preliminar para interromper a transferência de dados de usuários europeus para os Estados Unidos, depois que um Tribunal de Justiça Europeu decidiu que a legislação de privacidade americana não é adequada. Caso contrário, o Facebook poderia ser multado em até 4% de seu faturamento anual, que é de cerca de US$ 2,8 bilhões se considerarmos sua receita global em 2019.

De acordo com um processo judicial em Dublin localizado pela VICE, o gigante social disse que a decisão do DPC tornaria impossível oferecer seus serviços na UE para os 410 milhões de pessoas que acessam constantemente o Facebook e o Instagram. Mas o mais importante é que a empresa processou o DPC, alegando que foi identificada em um mar de mais de 5.000 empresas que dependem das cláusulas contratuais padrão (SCCs) e do Privacy Shield para operar as transferências de dados da UE para os EUA.

Facebook UE

O Facebook acredita que a mudança do DPC foi prematura e questiona o impacto potencial de tal medida na economia europeia, já que os SCCs também são usados ​​por outros gigantes da tecnologia, bem como bancos, companhias aéreas e muitas pequenas empresas. A empresa exorta os reguladores a pensar em uma abordagem mais pragmática antes que uma solução sustentável de longo prazo possa ser encontrada.

O DPC emitiu a ordem preliminar como forma de evitar que dados de residentes europeus sejam armazenados ou processados ​​nos Estados Unidos, onde podem ficar sujeitos a programas de vigilância em massa. Também está flexionando seus músculos depois de crescentes críticas de que não está fazendo o suficiente para impor o GDPR às grandes empresas de tecnologia.

Yvonne Cunnane, chefe de proteção de dados do Facebook Ireland e conselheira geral associada, observou que “o fato de uma pessoa ser responsável por todo o processo é relevante para as preocupações [do Facebook], no que diz respeito à inadequação do processo investigativo envolvido e à independência do último processo de tomada de decisão.”

Fonte: TechSpot

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.