Facebook vai parar de aceitar novos anúncios políticos uma semana antes da eleição presidencial dos EUA

Objetivo do Facebook é chegar a um acordo para evitar desinformação durante a eleição

O Facebook vai parar de receber novos anúncios políticos nos Estados Unidos nos sete dias anteriores à eleição, disse o CEO Mark Zuckerberg hoje como parte de uma série de medidas que a empresa está tomando para se proteger contra interferências eleitorais.

“Faltam apenas dois meses para as eleições nos Estados Unidos e, com a COVID-19 afetando comunidades em todo o país, estou preocupado com os desafios que as pessoas podem enfrentar ao votar”, disse Zuckerberg em um post no Facebook anunciando a mudança. “Também estou preocupado que, com nossa nação tão dividida e os resultados das eleições levando dias ou até semanas para serem finalizados, pode haver um risco maior de agitação civil em todo o país.”

Candidatos e comitês de ação política continuarão a poder comprar anúncios que já receberam pelo menos uma impressão até 27 de outubro, disse a empresa. Eles também podem optar por segmentar esses anúncios existentes em grupos diferentes ou ajustar seu nível de gastos. Mas eles não serão capazes de lançar novas campanhas criativas – uma barreira contra candidatos que espalham desinformação durante um momento particularmente tenso na história da empresa.

A mudança representa um compromisso entre os críticos que exigiram que a empresa parasse de vender publicidade e os ativistas políticos que argumentaram que os anúncios beneficiam candidatos menos conhecidos e podem ser essenciais para os esforços de voto.

Não é provável que acalme os críticos que argumentam que a política do Facebook contra anúncios políticos de verificação de fatos permite lucrar com a desinformação e a erosão constante da democracia americana. Mas pode evitar os piores esforços para espalhar boatos e temores em uma eleição que foi transformada pela pandemia da COVID-19, o medo do eleitor de ir fisicamente às urnas e uma nova dependência do voto pelo correio.

Outras etapas anunciadas pelo Facebook hoje incluem:

– Colocar o “Centro de Informações ao Eleitor” da empresa no topo dos feeds do Facebook e Instagram. O widget contém informações precisas e verificadas e vídeos sobre como votar, e permanecerá no topo do feed até o dia da eleição. Ele começará a aparecer esta semana para todos os usuários dos EUA, disse o Facebook.

– Usar o Centro de Informação do Eleitor para educar os americanos sobre o fato de que o vencedor da presidência não pode ser declarado na noite da eleição, já que as cédulas pelo correio podem levar dias ou semanas para serem contadas.

– Fornecer resultados eleitorais oficiais ao vivo assim que estiverem disponíveis por meio de uma parceria com a Reuters. As informações aparecerão no Centro de Informações ao Eleitor, e o Facebook também fornecerá atualizações por meio de notificações.

– Remoção de postagens que contêm “desinformação clara” sobre COVID-19 e votação.

– Adicionando um link para informações precisas sobre COVID-19 a postagens que tentam desencorajar as pessoas a votar, invocando temores sobre a doença.

– Adicionar um rótulo a qualquer candidato ou postagem de campanha que tenta declarar vitória antes que os resultados sejam oficiais. A etiqueta direcionará os usuários às informações da Reuters.

– Adicionar um rótulo às postagens que tentam lançar dúvidas sobre o resultado da eleição.

Fonte: The Verge

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.