Golpe nas redes sociais: Anúncio dizia que Tesouro da Nova Zelândia investiu 50% das reservas em startup de criptomoedas

Esquema utilizava a imagem da primeira ministra para se promover

De acordo com o site de notícias Stuff, anúncios no facebook utilizaram a imagem da primeira-ministra da Nova Zelândia para perpetuar um golpe no mercado das criptomoedas.

Aparentemente, diversos anúncios com a imagem de Jacinda Arden estavam espalhados pela rede social com a intenção de induzir cidadãos neozelandeses a investir na Bitcoin Revolution, uma startup de criptomoedas.

WeBitcoin: Golpe nas redes sociais: Anúncio dizia que Tesouro da Nova Zelândia investiu 50% das reservas em startup de criptomoedas

Segundo as publicações, o Tesouro da Nova Zelândia investiu 50% de suas reservas na empresa.

“O Tesouro da Nova Zelândia acaba de investir metade de seu capital em um novo projeto que, de acorco com o governo, irá moldar o futuro do setor financeiro.”, dizia um dos anúncios, antes de ser excluído pelo Facebook.

De acordo com pesquisas, o golpe possuía várias frentes, cada uma focada em vítimas de determinada faixa etária.  

Leia mais: Mineração ilegal: Cryptojackers escondem malware em falsa atualização do Adobe Flash

No ano passado, o ex-primeiro ministro John Key também foi alvo de golpes similares. No caso de Key, os anúncios afirmavam que um investimento de US$1.000 que ele havia feito se transformou na fortuna de US$300 milhões após 7 anos.

Golpes desta natureza estão cada vez mais comuns, e se estendem não só à esfera política, mas também à religiosa.

Em agosto, fontes alegam que o Papa Francisco também foi vítima de golpistas de criptomoedas. Estes utilizaram sua imagem para promover uma falsa oferta de Bitcoin nas redes sociais.

Recentemente, a equipe do WeBitcoin noticiou o golpe realizado por um perfil no Twitter que utilizava a identidade de Elon Musk, CEO da Tesla, para promover um esquema fraudulento de Bitcoin.

Leia mais: Caso MinerWorld: Após meses de inatividade, exchange de criptomoedas BitOfertas libera saques

FONTE: CCN