Google bane extensões de mineração cripto no Chrome

Google bane mineração cripto

A Google baniu as extensões de mineração de criptomoedas na loja do Chrome.

A gigante da tecnologia anunciou sua decisão na segunda-feira, e disse que, em julho, começará a remover as extensões presentes no browser que facilitam a mineração. Outras extensões ligadas ao Blockchain ainda são permitidas.

Anteriormente, a Google permitiu o uso de extensões de mineração no Chrome contanto que fossem unicamente dedicadas à mineração e informassem sua finalidade de forma explicita a seus usuários. No entanto, essa regra não foi o bastante para deter ou impedir extensões que não cumpriam com as regras.

Posts no fórum “The Chromium Projects” – uma iniciativa de código aberto criada pela Google para fornecer códigos fonte para o Chrome – mostram que desenvolvedores têm estado preocupados com tais extensões de mineração desde o último outono.

Leia mais: Descubra quanto McAfee cobra para promover uma ICO

Mudança de postura diante de criptomoedas

De acordo com a Wired, a Google decidiu banir as extensões na segunda-feira porque a maioria das extensões de mineração apresentadas à loja do Chrome não estavam em conformidade com suas políticas de uso.

“Para manter um ecossistema de extensões saudáveis é necessário manter a plataforma aberta e flexível,” disse James Wagner, gerente de produtos da plataforma de extensões da Google. “Isso incentiva nossos desenvolvedores a criar customizações criativas e inovativas para usuários do Chrome.”

Ele acrescenta:

“Decidimos adiar a proibição de extensões de mineração até se tornar claro que a grande maioria das extensões de mineração submetidas para a revisão não estavam em conformidade com nossas políticas de uso ou eram maliciosas.”

O banimento das extensões de mineração ocorreu em menos de um mês após a Google anunciar seus planos de proibir propagandas relacionadas com criptomoedas.

A mineração clandestina de criptomoedas se tornou cada vez mais comum nos últimos meses, nos quais governos e grandes empresas têm sofrido com ataques.

Em fevereiro, por exemplo, os dados em nuvem da Tesla, fabricante de carros elétricos, foi comprometida por malwares de mineração. Páginas do governo do Reino Unido também foram invadidas por malwares de mineração durante o mesmo período.

Em janeiro, a empresa de cibersegurança TrendMicro descobriu que a própria Google também foi uma vítima, e que seus anúncios foram usados para distribuir o malware de mineração cripto.

Fonte: Coindesk.com

Foto de Andre Cardoso
Foto de Andre Cardoso O autor:

André , ariano, engenheiro, empreendedor, trader de criptos profissional, palestrante e professor. Adora números, gráficos e aprender coisas novas.

andre.cardoso.btc/