Governo chinês impõe normas para plataformas Blockchain para promover o “desenvolvimento saudável” do setor

A iniciativa visa alavancar o setor de modo “ordeiro”

De acordo com a Reuters, todas as plataformas blockchain da China estarão, a partir do próximo mês, sujeitas a uma série de novas regras e normas para promover o “desenvolvimento saudável e ordeiro da indústria”.

Publicadas nesta quinta-feira, 10 de janeiro, as normas impõe que as plataformas censurem certos conteúdos, permitam que as autoridades chinesas possuam acesso a dados armazenados e verifiquem a identidade de todos os usuários.

De acordo com a CAC (Administração do Ciberespaço da China), a iniciativa visa alavancar o mercado blockchain de modo não prejudicial.

Desde o ano de 2017 a China se mostra pouco simpatizante com as criptomoedas. Nesta época, o governo proibiu ICOs e impediu que exchanges locais operassem no país.

Agora, com a nova regulamentação, as plataformas blockchain devem implementar registros de nomes reais de seus usuários por meio de um registro de identidade nacional ou número de telefone, além de realizar as censuras previstas e manter os dados dos clientes armazenados.

Caso as normas não sejam seguidas, a CAC informou que as empresas estarão sujeitas a processos e multas.

Em paralelo, a cidade de Pequim, onde as normas foram emitidas, se considera incentivadora da tecnologia blockchain, que é cada vez mais utilizada em áreas como comércio e rastreamento de cadeias de suprimento.

FONTE: REUTERS