Huobi da Coreia remove Monero de sua plataforma

Motivação principal seria o “Nth Room Case”

O “Nth Room Case” é uma investigação criminal em andamento na Coréia do Sul que supostamente envolveu crimes sexuais transmitidos nas salas de bate-papo do Telegram. As autoridades sul-coreanas inferiram que parte da operação envolvia transações em Monero.

Ontem a Huobi Coreia removeu a Monero, citando “baixos volumes de negociação e funções de anonimato”. Ela não fez referência direta à investigação da Nth Room em seu anúncio, e a exchange com sede em Singapura não removeu a criptomoeda centrada na privacidade no restante de sua plataforma.

O jornal sul-coreano Sisi Journal agora relata que a Bithumb também está considerando a remoção da Monero. Especificamente, o artigo afirma que a Bithumb tem uma política de descartar criptomoedas usadas principalmente para atos criminosos e que um comitê interno está analisando se a Monero agora se enquadra nessa designação.

A Bithumb é a única exchange coreana notável que ainda negocia Monero. O Upbit retirou fez a remoção no ano passado, citando também as preocupações com o anonimato da plataforma. Assim, esse movimento seria um golpe significativo para a criptomoeda.

Remoção da Monero intensifica o debate acerca do anonimato no meio cripto

As exchanges continuam fazendo esforços para fazer a transição para corretoras financeiras legítimas e, assim, estão cada vez mais cooperando com os reguladores. Portanto, não surpreende que muitos agora estejam menos dispostos a listar moedas que permitem transações anônimas.

Embora longe de ser a única moeda de privacidade, a Monero é de longe a mais popular. Ativistas anti-cripto frequentemente a visam, afirmando que ela é usada principalmente para uma série de atividades criminosas, como lavagem de dinheiro, compra de drogas e sonegação de impostos.

Não é de surpreender que algumas exchanges estejam dispostas a retirá-las para melhorar sua reputação junto a legisladores e possíveis clientes.

Vale ressaltar que a grande maioria das transações de criptomoedas é legal, incluindo as que envolvem a Monero. As alegações de que as criptomoedas estão centradas na criminalidade há muito são desmentidas.

Mais importante, a exclusão de moedas com recursos de privacidade não interromperá seu uso. De fato, as atividades na rede Monero aumentaram nos últimos meses, apesar de terem sido retiradas de várias exchanges.

Embora exista um debate sobre se as moedas centradas na privacidade são positivas ou não para a adoção de criptomoedas, sua proliferação continua. Agora, o uso anônimo é possível em muitas plataformas. Portanto, deve ser considerado um recurso permanente do uso de cripto e considerado pelos legisladores ao elaborar políticas sobre o uso da blockchain.

Fonte: Bitcoinist

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader desde 2017. Aficionado por tecnologia e entusiasta das criptomoedas, viu no WeBitcoin a oportunidade de unir duas paixões.