Japão: a facilitação de restrições regulatórias pode não estar chegando em breve

O Japão possui aquela que é talvez a regulamentação de criptomoedas mais rígida do mundo

As normas reguladoras do Japão têm sido um tema de preocupação ultimamente, e elas não parecem ser facilitadas em breve, de acordo com o novo Comissário da Agência de Serviços Financeiros do país (FSA), Junichi Nakajima.

Em uma entrevista recente com a Bloomberg, Nakajima opinou que o Japão deve ter cautela ao fazer Bitcoin e outras criptomoedas amplamente acessíveis ao público. O Comissário acredita que ativos como o Bitcoin estão sendo usados ​​atualmente apenas para fins de investimento e especulação, enquanto seu potencial original como um modo de pagamento rápido e barato está sendo amplamente ignorado.

O problema com a utilização de ativos de criptomoedas como veículos de investimento reside em sua alta volatilidade de preços, que é causada pela ausência de quaisquer ativos subjacentes. Nakajima admitiu que esta é a principal razão por trás dele não permitindo fundos de investimentos de criptomoedas no país, já que os cidadãos só devem ser expostos a esses investimentos após uma consideração cuidadosa.

O governo japonês está trabalhando constantemente para regular moedas e exchanges, a fim de minimizar o risco de que os investidores do país possam enfrentar. A FSA estabeleceu uma nova unidade em julho que se concentra em finanças descentralizadas e mercados de criptomoedas. Essa proatividade é provavelmente devido ao hack que uma exchange baseada em Tóquio sofreu no início de 2018, que resultou na perda de 523 milhões de moedas Nemin, valendo aproximadamente US $ 534 milhões.

Nakajima foi instrumental para introduzir a exigência de registro para exchanges em 2017. As exchanges de criptomoedas registradas no país têm enfrentado o aumento do escrutínio desde então, de acordo com o regulador, acrescentando que a maioria delas entende a realização de negócios no Japão “bastante difícil”.

Quanto às exchanges de criptomoedas não registradas, a FSA dobrou seus esforços para proibi-las de operar no país. Entre elas estão Bybit and Binance, que receberam cartas oficiais de aviso em maio e junho, respectivamente. Ambas as exchanges foram acusadas de realizar negócios no país sem buscar registro oficial. Além destes, o Japão tem atualmente 31 exchanges registradas na FSA.

Além das exchanges, a FSA também chamou anteriormente a comunidade global para a ação para regular o ecossistema DeFi. Embora o Japão não ofereça as diferentes opções de investimento para Bitcoin que os países como os EUA, a nova unidade da FSA deverá fornecer respostas regulatórias ao Defi nos próximos meses.

Fonte: AMBCrypto

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.