JPMorgan concede aos investidores institucionais acesso a seis fundos de criptomoeda

JPMorgan concede aos investidores institucionais acesso a seis fundos de criptomoeda, já que um deles está disponível apenas para clientes privados da instituição financeira, afirmou um relatório.

O JPMorgan permitiu que seus clientes de gestão de fortunas se envolvessem com meia dúzia de fundos de criptomoeda no mês passado. Um deles – um novo fundo bitcoin criado pela empresa de ativos digitais NYDIG – está disponível apenas para clientes de banco privado.

  • JPMorgan concede aos investidores institucionais acesso a seis fundos de criptomoeda, de acordo com um relatório.

De acordo com um relatório da CNBC , o banco de investimento multinacional americano – JPMorgan Chase & Co. – forneceu a seus principais clientes a exposição de ativos digitais a seis fundos de criptomoeda no final do mês passado.

Quatro dos produtos são da Grayscale Investments e incluem Grayscale Bitcoin Trust (GBTC), Grayscale Bitcoin Cash Trust (BCHG), Grayscale Ethereum Trust (ETHE) e Grayscale Ethereum Classic Trust (ETCG), enquanto Osprey Bitcoin Trust (OBTC) faz parte dos Fundos Osprey.

De acordo com a cobertura, apenas os clientes privados do banco terão acesso a um sexto fundo Bitcoin, que a empresa de tecnologia e serviços financeiros New York Digital Investment Group (NYDIG) desenvolveu recentemente.

A informação sobre a iniciativa do JPMorgan chega como uma surpresa, já que o CEO – Jamie Dimon – tem uma opinião bastante negativa sobre os ativos virtuais. Não muito tempo atrás, ele aconselhou as pessoas a ficarem longe deles. Dimon foi mais longe, dizendo que:

“As criptomoedas não se comparam às moedas fiduciárias tradicionais e ao ouro”.

Executivos da instituição financeira também comentaram sobre a recente iniciativa de El Salvador de dar curso legal ao bitcoin. Segundo eles, a decisão do país causaria problemas econômicos e jurídicos:

“A adoção do bitcoin como moeda legal levanta uma série de questões macroeconômicas, financeiras e jurídicas que requerem uma análise muito cuidadosa. Estamos acompanhando de perto os desdobramentos e continuaremos nossas consultas com as autoridades ”.

A demanda por BTC é alta.

Embora cético em relação às criptomoedas e especialmente ao bitcoin, o JPMorgan Chase & Co admitiu recentemente que a demanda havia aumentado significativamente.

Mary Callahan Erdoes – Diretora de Gestão de Ativos e Patrimônio do banco – observou até que a maioria dos clientes vê o BTC como uma classe de ativos. Para atender às expectativas dos clientes, o executivo garantiu que o JPMorgan não confiscaria seus serviços de criptomoeda:

“Muitos de nossos clientes dizem: ‘Essa é uma classe de ativos e eu quero investir’, e nosso trabalho é ajudá-los a colocar seu dinheiro onde desejam investir.”

Erdoes ressaltou, no entanto, que o banco ainda tem reservas sobre a decisão de classificar as criptomoedas como uma classe de ativos, citando sua natureza volátil como o principal motivo:

“É uma coisa muito pessoal. Não temos Bitcoin como uma classe de ativos e só o tempo dirá se ele tem uma reserva de valor. Mas a volatilidade que você vê hoje apenas tem que se esgotar com o tempo. ”

 

Fonte: CrytpoPotato

Foto de Neidson Soares
Foto de Neidson Soares O autor:

Conheceu esse universo dos criptoativos em 2016 e desde 2017 vem intensificando a busca por conhecimentos na área. Hoje trabalha juntamente com sua esposa no criptomercado de forma profissional. Bacharelando em Blockchain, Criptomoedas e Finanças na Era Digital.

neidson8