Julgamento do Faraó do Bitcoin foi tumultuado e adiado

A sessão online no Tribunal Regional Federal da 2ª Região sofreu interrupções por mais 300 pessoas que pediam a liberdade do acusado.

Glaidson Acácio dos Santos, o popular “Faraó do Bitcoin”, dono da GAS Consultoria e Tecnologia, teve uma surpresa assim como todos que estavam na sessão online no Tribunal Regional Federal da 2ª Região. Como a audiência foi aberta ao público, mais de 300 pessoas interrompiam a sessão através de comentários escritos e de áudio pedindo a libertação do Faraó.

O desembargador federal Flávio Lucas afirmou que, se as manifestações continuassem, a próxima sessão será fechada com a participação apenas de desembargadores, advogados, procuradores do Ministério Público Federal (MPF) e servidores. Além de Glaidson, seriam julgados ainda os pedidos de liberdade de outros dois réus.

A audiência desta terça-feira (19/10) foi adiada para o próximo dia 26, a pedido dos novos advogados de Glaidson. De acordo com as informações, o pedido aconteceu por que Glaidson mudou de advogado e, agora, a defesa pretende usar o tempo do adiamento para preparar a defesa do suspeito, que recentemente desconstituiu seus advogados anteriores.

Por dentro do caso.

Preso no dia 25 de agosto, Glaidson, a esposa, a venezuelana Mirelis Zerpa, e mais 15 pessoas, foram denunciados pelos procuradores do MPF, pelos crimes de organização criminosa; operação de instituição financeira sem autorização; gestão fraudulenta; e emissão, oferecimento ou negociação irregular de valores mobiliários.

A pedido da Polícia Federal, a Justiça determinou o bloqueio de R$ 38 bilhões em nome da empresa GAS Consultoria e Tecnologia LTDA 2015. A decisão atinge quatro contas da companhia e outras em nome de Glaidson.

O MPF revelou no final de agosto que estava investigando se a empresa GAS Consultoria Bitcoin, companhia com o maior número de investidores na cidade de Cabo Frio, no Rio de Janeiro, vinha praticando golpes do tipo pirâmide financeira.

De acordo com o órgão, o foco era Glaidson Acácio, que prometia lucros de 10% por mês nos investimentos em criptomoedas. Todavia, no fim das contas, as pessoas que entraram no negócio acabaram com prejuízos enormes, pois o empresário ficava com o dinheiro para si, ou seja, não fazia nenhum investimento.

A GAS Consultoria se pronunciou.

A defesa de Glaidson argumentou em uma nota divulgada a clientes que a decisão de adiar o julgamento do líder foi positiva, mesmo com ele passando uma semana a mais na prisão.

“Como é de conhecimento público, o julgamento do Habeas Corpus de Glaidson Acácio dos Santos foi adiado para a próxima terça-feira (26/10). A princípio, a notícia pode soar como desfavorável, porém, no entendimento da defesa foi a melhor decisão para o momento. Dessa forma, ganha mais tempo para robustecer o pedido de HC e, por outro lado, os julgadores poderão se aprofundar nas questões técnicas que envolvem esse processo tão complexo. Ou seja, teremos a oportunidade de um julgamento mais justo.”

Foto de Neidson Soares
Foto de Neidson Soares O autor:

Conheceu esse universo dos criptoativos em 2016 e desde 2017 vem intensificando a busca por conhecimentos na área. Hoje trabalha juntamente com sua esposa no criptomercado de forma profissional. Bacharelando em Blockchain, Criptomoedas e Finanças na Era Digital.

neidson8