Junto com a China, Brasil deve optar por criptomoedas em alternativa à moeda fiat?

Se for pela vontade das pessoas, sim! Brasil apareceu no topo em relatório sobre blockchain e criptomoedas

A tecnologia Blockchain conquistou muitos entusiastas em todo o mundo. Vários países, assim como as principais empresas, adotam a tecnologia e já estão colhendo seus benefícios. As criptomoedas parecem estar seguindo o exemplo. Antes consideradas arriscadas, as criptomoedas definitivamente atraíram a atenção das autoridades de todo o mundo ao longo do tempo.

A Deloitte, uma das plataformas de contabilidade “Big Four” divulgou recentemente um relatório destacando o status quo da tecnologia blockchain e das criptomoedas.

O relatório chamado “Pesquisa Global Blockchain 2020 da Deloitte” foi divulgado recentemente pela empresa de contabilidade e foi realizado entre 6 de fevereiro e 3 de março de 2020. Um total de 1.488 pessoas foram pesquisadas este ano e perguntadas se concordavam ou não com as declarações abaixo.

A próxima pergunta se concentrou na relevância da tecnologia blockchain para a organização dos entrevistados e 55% sugeriram que a tecnologia blockchain era uma das cinco principais prioridades estratégicas de sua empresa nos próximos 24 meses. Embora seja considerado importante, 26% deles afirmaram que não eram suas cinco principais prioridades estratégicas.

14% dos entrevistados sugeriram que a tecnologia blockchain seria relevante para sua organização, no entanto, não era uma prioridade estratégica. Apenas 3% excluíram que não haviam chegado a uma conclusão, enquanto os 2% restantes propuseram que isso não seria relevante.

Além disso, os ativos digitais também fizeram parte da pesquisa. Os entrevistados foram convidados a escolher entre uma lista de ativos digitais que considerariam usar. Enquanto 64% sugeriram que usariam ativos controlados pela empresa, 59% sugeriram que usariam criptomoedas descentralizadas como Bitcoin, Ether, EOS, etc. 54% dos entrevistados estavam inclinados a moedas apoiadas por fiat e outros 54%, stablecoins.

Finalmente, foi perguntado aos participantes se eles substituiriam ou escolheriam criptomoedas como uma alternativa às moedas fiduciárias, com os entrevistados da China, Brasil e Emirados Árabes Unidos sendo vistos no topo das paradas.

Crypto

Fonte: Deloitte

 

Evidentemente, o gráfico sugere que pessoas em todo o mundo considerariam fortemente o uso de criptomoedas como substituto das moedas fiduciárias.

Fonte: CoinGape

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader desde 2017. Aficionado por tecnologia e entusiasta das criptomoedas, viu no WeBitcoin a oportunidade de unir duas paixões.