Justiça bloqueia valores da quadrilha que aplicava golpe com bitcoin

O Tribunal de Justiça de São Paulo bloqueou os valores da quadrilha, Krypton Unite

A justiça determinou o bloqueio de bens da empresa Kypton Unite, conhecida também como Blockchain IT, e dos responsáveis Julio Kaminski, Camila Kaminski e Carolina Alessandra Kaminski Ricardo, para garantir o ressarcimento dos investidores que estão sendo solicitados. 

Os clientes da empresa, já estão solicitando judicialmente seus valores retidos junto à empresa, segundo o Tribunal de Justiça de São Paulo, os processos referentes ao caso ainda estão em julgamento, conforme reportagem do CriptoFacil.

A operação Midas da Polícia Civil contra a Kypton Unite, ocorreu em dezembro de 2019, a Polícia prendeu 9 pessoas do esquema.

Ao todo foram 62 mandados judiciais, a empresa lesou pessoas no Paraná, Amapá, Maranhão, Minas Gerais, São Paulo e Bahia. 

As autoridades revelaram que a Kypton Unite arrecadou cerca de R$70 milhões dos investidores, entretanto, houve movimentações bancárias de até R$250 milhões. 

Segundo o delegado Emmanuel David, responsável pela investigação: “na operação foram presos gerentes, presidentes e outros operadores da empresa(…) mostrando que se trata de um estelionato não de um investimento real de uma empresa sério”.

A empresa atuava desde 2018, os clientes eram atraídos por mensagens no Telegram e Whatsapp, onde era oferecido um serviço de investimento em Bitcoin com lucros de até 4% ao dia. 

Em abril de 2019, a empresa começou a apresentar problemas nos saques, em nota o CEO da empresa Daniel Kaminski, dizia que a Kypton Unite teria sofrido um golpe na Argentina e não poderia pagar os investimentos em Bitcoin. 

A empresa utilizava técnicas de marketing multinível para atrair mais investidores, prometendo retorno de até 400%, a Kypton Unite não tinha autorização da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para atuar no mercado financeiro. 

Foto de Mirian Romão
Foto de Mirian Romão O autor:

Graduada em Comunicação Social com ênfase em Jornalismo e Pós-Graduada em Comunicação em Redes Sociais.

mirian_romao