Lightning Network disponível para smartphones graças à carteira Eclair

A primeira carteira a aceitar Lightning Network

A partir de agora, usuários poderão acessar a Lightning Network (LN) por meio de seus dispositivos móveis, graças ao mais novo lançamento da startup francesa ACINQ.

Nesta quarta-feira, a desenvolvedora de Paris lançou a primeira versão mainnet da Eclair Wallet, uma carteira virtual em Lightning compatível com versões 5.0 do Android ou acima. Este aplicativo é a primeira carteira móvel a aceitar a LN, um avanço importante se levarmos em conta que a principal utilidade da LN são os pagamentos diários.

Fonte: ACINQ/Google Play

A Eclair – na qual utiliza a linguagem de programação Scala – é atualmente uma das três implementações em LN. A Lnd, na qual está sendo desenvolvida pelo Lightning Labs, utiliza a linguagem Go, enquanto a c-lightning – desenvolvida pela Blockstream – utiliza a linguagem C.

O aplicativo Eclair possui interfaces para o blockchain normal de Bitcoin e para a rede off-chain da Lightining Network, dessa forma, os usuários não precisam de uma carteira separada de Bitcoin para transações on-chain.

Além disso, o aplicativo já tem recebido ótimas avaliações dos usuários, citando sua velocidade e usabilidade.

Contudo, novos usuários devem estar cientes de várias coisas.

Leia mais: Apesar da recente queda em seu valor, o futuro da XVG ainda parece promissor

Novos usuários devem tomar cuidado

O backup de uma carteira normal de Bitcoin pode ser feito por gerar uma seed (chave privada) e então anotá-la e armazená-la em um lugar seguro.

Já os fundos armazenados em canais da LN não possuem a opção de backup através do app, ou seja, os fundos serão perdidos caso algum usuário perca o acesso a seu dispositivo móvel – exceto se os fundos forem dinheiro armazenados em uma carteira física.

É importante ressaltar que, por enquanto, a carteira de LN da Eclair não está aceitando pagamentos, o que não seria sábio de disponibilizar visto que a carteira não pode ser recuperada se perdida.

Além disso, o software de LN acabou de entrar em fase beta, então, apesar de algumas implementações serem tecnicamente classificadas como prontas para o mainnet, elas ainda estão em fase de testes e podem possuir bugs e outras vulnerabilidades que fazem com que usuários percam seus fundos.

Algumas semanas atrás, um indivíduo ou um grupo lançou um ataque coordenado de negação de serviço (DoS) contra nós conectados na LN. O desenvolvedor de pseudônimo “bitPico” alegou ser o responsável pelo ataque – no qual não parece ter sido patrocinado – e disse que se trata de um “teste de stress” para a rede e não uma tentativa maliciosa de acabar com o projeto.

Fonte: CCN.com

 

Foto de Andre Cardoso
Foto de Andre Cardoso O autor:

André , ariano, engenheiro, empreendedor, trader de criptos profissional, palestrante e professor. Adora números, gráficos e aprender coisas novas.

andre.cardoso.btc/