MetaMask e Infura receberam fortes críticas devido a problema de conectividade

Metamask
Infura, endpoint da wallet MetaMask deixa os venezuelanos na mão

A comunidade cripto atacou fortemente a Infura, o principal provedor de infraestrutura Ethereum, e a MetaMask, a carteira do navegador de criptomoedas

De acordo com as reclamações e um post oficial, os usuários venezuelanos tiveram os acessos bloqueados da carteira “devido ao cumprimento das leis”.

O problema foi relatado apenas para usuários do Ethereum, pois outras conexões MetaMask, como Binance Smart Chain (BSC) e Avalanche (AVAX), não foram afetadas. Em recente atualização sobre a situação, a Infura reconheceu as reclamações e esclareceu que se tratou de um “erro de configuração”.

Por meio de seu Twitter, a Infura alegou que o suposto erro foi causado quando eles tentaram seguir as “novas diretivas de sanções dos Estados Unidos” e outras jurisdições. Nesse sentido, eles disseram que o problema foi corrigido e, portanto, os usuários venezuelanos e outros usuários afetados devem poder acessar suas carteiras MetaMask. O provedor de infraestrutura Ethereum acrescentou:

(…) Nós definimos as configurações de forma mais ampla do que precisavam ser. Este foi o nosso descuido, e estamos gratos por nos ter sido apontado. Assim que determinamos o que aconteceu, conseguimos resolver o problema e o serviço foi restaurado.

Enquanto alguns usuários elogiaram a prontidão da Infura para resolver a situação e sua capacidade de ouvir a comunidade cripto, outros criticaram ambas as entidades e as acusaram de centralização. O pesquisador Larry Cermak disse o seguinte sobre a situação e seu impacto potencial para os usuários de MetaMask e Infura no futuro:

Se o Metamask / Infura estiver aberto e disposto a bloquear países como a Venezuela por endereços IP, é apenas uma questão de tempo até que eles sejam forçados pelos reguladores a censurar os endereços IP de pessoas individuais. Precisamos de alternativas imediatamente.

MetaMask em perigo de centralização?

A MetaMask também respondeu às reclamações. Em uma declaração separada por meio de seu identificador oficial no Twitter, a empresa enfatizou sua função como uma carteira “do lado do cliente” e reiterou que a Infura conseguiu corrigir o problema do lado deles.

Em sua declaração, a MetaMask esclareceu que o Infura é seu “endpoint padrão” para se conectar ao Blockchain da rede Ethereum, no entanto, o usuário pode configurar manualmente sua Remote Procedure Call (RPC) e conectar-se por meio de uma rede personalizada.

https://twitter.com/MetaMask/status/1499448223399759896?s=20&t=5h5lOCWvZ5PxXxCICQl87A

Apesar de sua declaração, os usuários ainda criticaram a Infura e a carteira de criptomoedas, pois acreditam que “o dano está feito”. Nesse sentido, alguns recomendaram o uso de VPNs e outras ferramentas para preservar a privacidade do usuário durante a utilização desses serviços.

Como um lado do mundo foi impedido de acessar seus fundos com a carteira criptomoeda, outros reclamaram sobre o popular mercado NFT OpenSea. De acordo com alguns relatórios, os usuários iranianos não conseguiram acessar a plataforma.

Os usuários chamaram a suposta medida de exemplo de centralização. Ao contrário da Infura, a OpenSea ainda não abordou os relatórios.

Foto de Washington Leite
Foto de Washington Leite O autor:

Formado em Administração de Empresas, sou entusiasta da tecnologia e fascinado pelo mundo das criptomoedas, me aventuro no mundo do trade, sendo um eterno aluno. Bitcoin: The money of the future

WashingtonLeite_