Microsoft pretende que suas operações sejam “zero desperdício” até 2030

Mas o lixo eletrônico continua sendo um problema crescente

A Microsoft planeja parar de gerar lixo a partir de suas operações até 2030, anunciou a empresa hoje. Também prometeu parar de usar plásticos descartáveis ​​em suas embalagens até 2025. Como parte de sua meta de desperdício zero, a Microsoft estabelecerá o que chama de “Centros Circulares” para permitir que a empresa reutilize ou recicle 90% de seus resíduos no local, em vez de enviá-los para recicladores de terceiros.

Um dos itens mais importantes que serão reciclados internamente são os servidores usados ​​nos datacenters da Microsoft. A empresa também se comprometeu a eliminar o desperdício de seu próprio processo de fabricação, embora não se espere que seus fornecedores cumpram a mesma meta de desperdício zero da Microsoft.

No ano passado, os maiores complexos de escritórios da Microsoft enviaram 3.189 toneladas de resíduos para aterros sanitários. O novo compromisso visa reduzir esse valor a zero na próxima década. Mas comparado ao lixo proveniente dos escritórios da Microsoft, o lixo eletrônico dos gadgets que a Microsoft e outros fabricantes produzem é um problema muito maior.

As pessoas jogaram um recorde de 53,6 milhões de toneladas de lixo eletrônico globalmente em 2019, de acordo com um relatório divulgado em julho. Esse número só deve crescer. O anúncio de hoje da Microsoft não causará grande impacto em todas essas pilhas de lixo eletrônico, já que a empresa ainda não se responsabiliza pelo que acontece com os produtos que vende.

“As empresas de eletrônicos fazem um ótimo trabalho ao projetar por prazer e eficiência, mas a rápida mudança na demanda dos consumidores também significa que estão projetando para obsolescência. Portanto, o produto mais novo e mais legal de hoje se torna o lixo de amanhã “, disse Scott Cassel, que fundou o Product Stewardship Institute sem fins lucrativos, em uma entrevista em julho ao The Verge após o lançamento do relatório global de lixo eletrônico.

Cassel e outros advogados pressionaram as empresas de eletrônicos a projetar seus produtos para durarem mais e a coletar e reciclar os dispositivos que fabricam no final de suas vidas úteis.

————————————————————————————————————————————–

Compre Bitcoin na Coinext
Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil.
Cadastre-se e veja como é simples, acesse: coinext.com.br

————————————————————————————————————————————–

Outros grupos de defesa, como o US PIRG, pediram à Microsoft que se oponha às leis propostas de “direito de reparo”, que exigiriam que as empresas divulgassem informações sobre seus produtos que permitissem aos consumidores fazer reparos por conta própria ou através de terceiros. Os advogados do direito de reparar dizem que eles poderiam ajudar a manter os produtos em uso – e mantê-los fora dos aterros sanitários.

A Microsoft disse ao The Verge que seu foco renovado em reduzir o desperdício não mudou sua postura no que diz respeito ao “direito de reparo”. No entanto, ela projetou seu Surface Laptop e Surface Pro X para que sejam mais fáceis do que os modelos anteriores de desmontar e consertar.

“Estamos absolutamente comprometidos em aumentar a capacidade de reparo de nossos próprios produtos, mas também tentamos equilibrar outros aspectos como segurança e durabilidade e, é claro – provavelmente o mais importante para nós – privacidade e segurança”, diz Brian Janous, gerente geral da Microsoft de energia e sustentabilidade.

“Este é o primeiro passo de uma jornada”, diz Janous. “Haverá muito mais por vir, à medida que aprendemos mais sobre como podemos realmente influenciar esse ciclo de vida útil”.

A promessa de desperdício zero acompanha outro grande objetivo ambiental que a Microsoft estabeleceu no início do ano – se tornar negativo em carbono até 2030. Para enfrentar as mudanças climáticas, a Microsoft anunciou em janeiro que removerá mais gases de efeito estufa da atmosfera do que produz em 2030 e assumirá a tarefa monumental de reduzir todas as emissões de dióxido de carbono já lançadas em 2050.

Fonte: The Verge

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.