Microsoft quer usar blockchain Ethereum para combater a pirataria

O novo plano do principal desenvolvedor de software para combater a pirataria depende da transparência da tecnologia blockchain.

O sistema operacional Windows e o pacote de produtividade do Office sempre tiveram o melhor desempenho em qualquer plataforma de pirataria de software. Portanto, não é de se admirar que a Microsoft quer usar blockchain Ethereum para combater a pirataria.

Em um novo artigo divulgado pelo departamento de pesquisa da Microsoft, com a participação de pesquisadores da Alibaba e da Carnegie Mellon University, a gigante do software baseada em Redmond estudou um sistema de incentivo baseado em blockchain para apoiar campanhas antipirataria.

Conforme sugere o título da pesquisa, “Argus: Um Sistema de Incentivo Totalmente Transparente para Campanhas Antipirataria ” , o novo sistema da Microsoft depende do aspecto de transparência da tecnologia blockchain. Construído no blockchain Ethereum, o Argus visa fornecer um mecanismo de incentivo sem confiança enquanto protege os dados coletados da população anônima aberta de repórteres de pirataria.

“Vemos isso como um problema de sistema distribuído”.

Afirma o documento:

“Na implementação, superamos um conjunto de obstáculos inevitáveis ​​para garantir a segurança, apesar da transparência total.”

  • Microsoft quer usar blockchain Ethereum para combater a pirataria.

O Argus permite rastrear o conteúdo pirateado até a fonte com um algoritmo de marca d’água correspondente, que é detalhado no artigo. Também chamado de “prova de vazamento”, cada relatório de conteúdo vazado envolve um procedimento de ocultação de informações. Dessa forma, ninguém além do informante pode relatar a mesma cópia com marca d’água sem realmente possuí-la.

O sistema também tem salvaguardas de redução de incentivos para evitar que um informante relate o mesmo conteúdo que vazou repetidamente com nomes diferentes.

“Com a segurança e praticidade do Argus, esperamos que as campanhas antipirataria do mundo real sejam realmente eficazes, mudando para um mecanismo de incentivo totalmente transparente”.

Afirmou o relatório.

Detalhando a questão das taxas de rede Ethereum, o jornal explicou que a equipe otimizou várias operações “para que o custo de relatórios de pirataria seja reduzido a um custo equivalente de envio de cerca de 14 transações de transferência ETH para rodar na rede pública Ethereum, o que seria caso contrário, correspondem a milhares de transações. ”

 

Fonte: CoinTelegraph

Foto de Neidson Soares
Foto de Neidson Soares O autor:

Conheceu esse universo dos criptoativos em 2016 e desde 2017 vem intensificando a busca por conhecimentos na área. Hoje trabalha juntamente com sua esposa no criptomercado de forma profissional. Bacharelando em Blockchain, Criptomoedas e Finanças na Era Digital.

neidson8