Mineração de Bitcoin: China agora tem 0% de hashrate

De acordo com o Cambridge Center de Finanças Alternativas, o hashrate da China alocado para a mineração de Bitcoin caiu a quase zero.

O Hashrate global não depende mais da China, o mapa é cristalino: no início do ano, 53% de todo o hashrate global de Bitcoin foi alocado na China, contra 49% em março.

Desde maio, houve um colapso real: 44%, baixando para 34% em junho e 0% em julho.

A China não é mais um fator importante na mineração de Bitcoins.

Em contraste, os EUA estavam apenas em 10% no início do ano, mas em março já havia subido para 16%. Em maio, ainda era de apenas 17%, mas de junho em diante disparou: primeiro 22%, depois 35% em julho.

A distribuição do hashrate Bitcoin

A porcentagem da capacidade computacional distribuída globalmente nos Estados Unidos mais que dobrou entre maio e julho, com 35,4%, os Estados Unidos são agora são o primeiro país do mundo, em se tratando de quantidade de hashrate alocada para a mineração de Bitcoin.

Curiosamente, em segundo lugar está o Cazaquistão com 18%, mas não é por acaso, pois é um país com grande oferta de energia barata e próximo da China.

Muitos mineradores chineses se mudaram para o exterior, e os estados da Ásia Central têm sido um destino favorito absoluto para os mineradores que fogem da China, tanto por causa de seus baixos custos de energia quanto por sua relativa proximidade.

A Rússia e o Canadá também estão agora no topo desse ranking, com 11% e 9,5%, respectivamente.

Outros países do mundo com mais de 1% do hashrate são Irlanda (4,7%) , Malásia (4,6%) , Alemanha (4,5%) e Irã (3%).

O aumento mais notável é nos EUA, já que há apenas um ano era pouco mais de 4%, sugerindo que a maior parte do hashrate perdido na China este ano foi substituído pelo hashrate instalado nos EUA.

Não está claro se este foi um caso de mineradores chineses transferindo suas operações para os EUA ou uma nova oportunidade de mercado que os empresários americanos foram capazes de explorar melhor do que outros.

Neste último caso, seria uma verdadeira aquisição pelos EUA contra a China como país líder na mineração de Bitcoins, ou seja, na validação de transações on-chain. Este poderia realmente ser um evento importante para o Bitcoin.

Voltando a setembro de 2019, a porcentagem de hashrate alocada na China chegava a 75%. Até alguns anos atrás, as mineradoras chinesas dominavam completamente esse mercado, sem rivais. As decisões do Estado contra a mineração de Bitcoin devido ao seu alto consumo de energia excluíram completamente a China deste mercado.

Problemas da China

A China está sofrendo sérios problemas com o abastecimento de energia este ano, e é duvidoso que ela tomaria a decisão de voltar no futuro, caso consigam resolver esses problemas.

No entanto, a sensação é de que a sorte está lançada: o país asiático pode ter perdido sua liderança geral na mineração de Bitcoin.

Fonte: Cryptonomist

Foto de Washington Leite
Foto de Washington Leite O autor:

Formado em Administração de Empresas, sou entusiasta da tecnologia e fascinado pelo mundo das criptomoedas, me aventuro no mundo do trade, sendo um eterno aluno.Bitcoin: The money of the future

WashingtonLeite_