Morte de Kobe Bryant não mexe apenas com fãs de esporte

Estrela do basquete havia se estabelecido como investidor e empreendedor

A comunidade de startups de Los Angeles está se unindo ao resto do mundo em luto pela morte do astro da NBA, empresário e investidor Kobe Bryant, morto em um acidente de helicóptero em Calabasas, na Califórnia, pouco antes das 10h de domingo (26).

O jogador de 41 anos da NBA All-Star, medalhista olímpico, vencedor do Oscar e pai de quatro filhos, era mais famoso por suas realizações na quadra de basquete, mas se estabeleceu como um empreendedor e investidor cujo alcance se estendia muito além da área de Los Angeles que ele chamava de casa.

“Kobe era amado em Los Angeles. Ele não apenas atingiu o auge no esporte, mas tudo o que fez foi de qualidade, de filmes a livros e filantropia. É realmente um dia triste”, escreveu Mark Suster, sócio-gerente da empresa de capital de risco Upfront Ventures, com sede em Los Angeles.

De acordo com a Crunchbase, Bryant começou sua carreira de empreendedor em 2013, com Jeff Stibel, sócio e empreendedor em série. A dupla fez uma mistura de investimentos iniciais e finais em empresas com sede em Los Angeles, como LegalZoom, Scopely, Art of Sport, The Honest Company, RingDNA, FocusMotion, DyshApp e Represent.

Em 2019, a empresa de investimento expandiu-se com um veículo de investimento de US$ 1,7 bilhão, lançado em parceria com o fundo de private equity Permira, segundo uma reportagem do USA Today.

Para Marlon Nichols, da MAC Venture Capital, Kobe Bryant era uma lenda, um dos raros seres humanos cujo esforço combinava com o talento. Segundo Nichols, o jogador de basquete era o tipo de líder que só se vê uma vez na vida.

“Na minha empresa, temos um ditado: os grandes estudam os grandes. Então, li sobre muitos industriais para aprender sobre suas jornadas. No entanto, Kobe foi mais do que ótimo. Ele trabalhou incansavelmente para ser o melhor em qualquer ‘jogo’ em que decidisse entrar. No basquete, foi o melhor jogador de sua geração. Escrevendo, ganhou logo um Oscar; em tecnologia e investimentos, criou uma empresa e rapidamente gerou retornos significativos – um investimento de US$ 6 milhões no BodyArmor se tornou US$ 200 milhões”, escreveu Nichols.

A atriz Jessica Alba, co-fundadora da The Honest Company, foi ao Twitter para compartilhar sua própria reação às notícias.

E a conta oficial da Scopely no Twitter também prestou uma homenagem.

Durante seu tempo com o Los Angeles Lakers, o MVP (jogador mais valioso da NBA) e 18 vezes participante do All-Star Game (Jogo das Estrelas da NBA) estabeleceu recordes e ajudou a arquitetar a disputa de cinco campeonatos nacionais. Juntamente com Shaquille O’Neal, Bryant tornou os Lakers a equipe dominante da NBA no início dos anos 2000.

Kobie Fuller, sócio da Upfront Ventures, também lamentou a morte de Kobe Bryant.

“Kobe era a rara combinação de talento dado por Deus dentro e fora da quadra com uma mentalidade competitiva de atleta que era incomparável, a ponto de ser chamada de ‘mamba mentality’. Tudo em que ele colocou em seu foco se transformou em excelência, seja um campeonato da NBA, um Oscar, entrando no jogo de videogame ou – o mais importante – paternidade”, escreveu Fuller.

Enquanto a trajetória esportiva de Bryant era famosa, e sua carreira pós-esportiva na mídia e nos investimentos era bem-sucedida, seu legado foi manchado por uma acusação de abuso sexual em 2003, que foi resolvida mais tarde e pela qual Bryant se desculpou, mas não admitiu culpa.

* Imagem da página oficial de Kobe Bryant no Facebook
Fonte: TechCrunch

Foto de Simone Gondim
Foto de Simone Gondim O autor:

Jornalista, revisora e roteirista, apaixonada por tecnologia e especializada em conteúdo.

https://www.instagram.com