Não perca: MtGox estende prazo de inscrição para reabilitação!

A data limite foi alterada para dezembro

Nesta quinta-feira, 22 de novembro, a MtGox, serviço de compra e venda de Bitcoin que faliu após um suposto hack em 2014, publicou um documento estendendo o prazo de reivindicação de reabilitação da quantia perdida durante o incidente.

Fundada em 2010 pelo programador americano Jed McCaleb, também conhecido como fundador da Ripple e cofundador e CTO da Stellar, a plataforma foi adquirida pelo francês Mark Karpelès em 2011. A empresa atingiu seu auge em 2013, quando 7 em cada 10 transações de Bitcoin no mundo eram realizadas pela MtGox.

O incidente

Em fevereiro de 2014 a empresa suspendeu “temporariamente” os saques sob a pretensão de corrigir uma falha em seu sistema que, aparentemente, permitia que o valor de uma mesma transação pudesse ser utilizado diversas vezes.

Em 23 de fevereiro, Karpelès anunciou sua saída da Bitcoin Foundation sem nenhuma explicação aparente. Em seguida o site da MtGox saiu do ar e todos os tweets de seu perfil online foram apagados. No dia 24 um documento “vazado” afirmou que a empresa havia perdido 744.408 Bitcoins.

Um dia depois, na página inicial do site da empresa, que antes só exibia uma página em branco, estava escrita a seguinte mensagem:

“Caros clientes MtGox, dadas as recentes notícias e a potencial repercussão sobre as operações da MtGox e do mercado (de Bitcoin), decidimos cancelar todas as transações no momento, para proteger o serviço e nossos usuários. Iremos monitorar a situação de perto e reagir de acordo.”

De acordo com a empresa, além dos quase 750 mil Bitcoins roubados de seus clientes, outros 100 mil foram desviados do fundo da própria plataforma.

Em 28 de fevereiro a empresa entrou com um pedido de concordata em Tóquio.

Pouco antes de ser preso em 2015, Karpelès afirmou ter “encontrado” em torno de 200 mil Bitcoins roubados em um local de cold storage. Dois anos depois, em 2017, o francês foi acusado de desfalque e manipulação de dados pelo tribunal de Tóquio.

O valor do Bitcoin e o prazo de reabilitação

Neste meio tempo, muitos acreditam que a grande volatilidade do Bitcoin poderia estar interligada com o incidente que faliu a plataforma. De acordo com especialistas, não podemos descartar a possibilidade de que a grande queda registrada no início de 2018 ocorreu graças a uma tentativa desesperada de lavar o capital roubado da empresa.

Em paralelo, recentemente a plataforma anunciou que iniciaria um processo de reembolso aos milhares de clientes lesados pelo incidente de 2014. A quantia total pode chegar a até US$1,3 bilhão, com pagamento em Bitcoin ou Bitcoin Cash.

Inicialmente o prazo estipulado para a inscrição no processo acabava em 22 de outubro de 2018. Entretanto, de acordo com o documento publicado ontem, o período foi estendido até 26 de dezembro de 2018, considerando possíveis atrasos não imputáveis pelos credores. Desta forma, cada reivindicação realizada após o prazo inicialmente estipulado será avaliada pelo tribunal japonês antes de ser aceita.

O processo pode significar um encerramento digno aos milhares de clientes da antiga MtGox, que poderão reaver a quantia perdida até o início de 2019.

Foto de Beatriz Orlandeli
Foto de Beatriz Orlandeli O autor:

Simpatizante das criptomoedas, após cursar Arquitetura e Urbanismo, reavivou um antigo gosto pela escrita e atualmente trabalha como redatora do WeBitcoin.

biaorlandeli