Nova Zelândia está investigando CBDCs, mas longe de estar pronta para criar um

A Nova Zelândia é marcada por uma baixa adoção de dinheiro físico entre a população

Christian Hawkesby é o governador assistente do Reserve Bank da Nova Zelândia e fez um discurso hoje sobre a pesquisa de moedas digitais do banco central (CBDCs). Da forma como está agora, Hawkesby deixou claro que não há planos imediatos para o lançamento de uma moeda digital estatal e centralizada na Nova Zelândia.

Hawkesby destacou a variedade de desafios e benefícios de alto nível que podem advir de um CBDC, durante a conferência anual da Royal Numismatic Society of New Zealand. Uma das principais vantagens, conforme destacado por Hawkesby, é a promoção da inclusão financeira e maior acesso ao dinheiro em geral.

A Nova Zelândia, em particular, tem investigado a possibilidade de CBDCs desde pelo menos 2018. Naquela época, o país havia publicado um boletim com o título: “Os prós e os contras da emissão de uma moeda digital de banco central”. Em janeiro, o Bank for International Settlements (BIS) mostrou em um relatório que mais de 80% dos bancos centrais do mundo estão investigando CBDCs.

Central Bankers Question the Role of Blockchain in CBDC Plans 

Muitas razões pelas quais CBDCs estão sendo adotados

Hawkesby resumiu em seu discurso de hoje as descobertas feitas pelo BIS sobre por que os países estão investigando CBDCs, para começar. O BIS concluiu que havia uma sensação geral de que tanto as moedas estrangeiras quanto as privadas estão se tornando mais prevalentes. Isso vem junto com o fato de que a dependência excessiva de dinheiro físico durante um período de declínio do uso dele poderia potencialmente deixar muitas pessoas presas fora do sistema financeiro mundial.

Embora a maior parte do mundo esteja atualmente investigando CBDCs, a maioria deles, incluindo a Nova Zelândia, não os emitirá tão cedo. Paralelamente a isso, deve-se considerar que um CBDC pode assumir várias formas, sendo que as propostas dos bancos raramente os descrevem como “criptomoedas”. Mesmo assim, a maioria dessas propostas usa tecnologia de contabilidade descentralizada como sua inspiração

A China se destaca como o maior player quando se trata de tecnologia, pelo menos por enquanto, e possui um programa CBDC em grande escala que está sendo testado de maneira significativa em Shenzhen. As Bahamas também não estão tão longe, já que planejam um lançamento nacional de seu próprio CBDC, o Sand Dollar, esta semana. Ao lado disso, a criptomoeda totalmente desenvolvida das Ilhas Marshall, bem como a quase criptomoeda do Camboja, estão sendo consideradas por seus respectivos governos.

Quanto à ambição da Nova Zelândia em relação aos CBDCs, em particular, o país quer criar uma forma digital de dinheiro. Hawkesby destacou o declínio do uso de dinheiro dentro do país, privando assim o acesso a ele também. Hawkesby afirmou que apenas 7% a 9% de todo o país utiliza as notas como dinheiro líquido, com apenas 6% de todos os cidadãos da Nova Zelândia contando com dinheiro para as necessidades do dia-a-dia.

Fonte: Inside Bitcoins

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.