Novo avanço: Bakkt pretende testar custódia e futuros de Bitcoin em julho

CEO da Bakkt anuncia teste de aceitação dos usuários nos próximos meses

Desde o anúncio do seu lançamento, a Bakkt gera muita expectativa nos investidores e entusiastas de criptomoedas, que aguardam pacientemente sua entrada no mercado. Ao longo dos últimos meses, várias notícias sobre aquisições de projetos e membros para a equipe foram veiculadas, ao passo que a plataforma parece estar cada vez mais próxima do seu lançamento.

Marcando mais um avanço, um comunicado publicado pela CEO da Bakkt, Kelly Loeffler, revela que dentro das próximas semanas a equipe da plataforma irá trabalhar juntamente com seus clientes para se preparar para um teste de aceitação do usuário (UAT) voltado a futuros e custódia, com início previsto para julho.

O objetivo do teste é “garantir que os clientes tenham tempo para participar e testar o modelo de negociação e custódia” criado pela plataforma.

A CEO afirma ainda que os contratos futuros de Bitcoin criados pela Bakkt foram “moldados” para oferecer recursos exclusivos de negociação, segurança e gerenciamento de risco. Especificamente, Loeffler aponta que serão listados dois contratos futuros, um de liquidação diária (que permitirá a realização de transações em um mercado no mesmo dia) e outro mensal (que irá viabilizar o trade no mês seguinte e através da curva de preços futuros).

Aparentemente a formação de valores em tais contratos será “apoiada por ferramentas comprovadas para detectar práticas comerciais abusivas ou disruptivas, incluindo operações de lavagem”. Todo o processo foi acompanhado pelo CFTC (Comissão de Negociação de Futuros de Commodities) para garantir que todo o trabalho realizado seja compatível com a regulamentação federal.

De acordo com a publicação, a margem de contratos futuros serão realizadas pela ICE Clear US, assim como a coleta de margem de garantia inicial e margem de variação para o gerenciamento de risco.

“Essa abordagem é consistente com práticas de gerenciamento de risco eficientes em termos de capital nos mercados futuros globais, que vão desde petróleo e ouro até taxas de juros e futuros de índices de ações.”

Ademais, a CEO afirma que a Bakkt irá realizar uma contribuição de US$35 milhões para cobrir riscos na câmara de compensação da ICE Clear US, o que não só arrisca a própria plataforma, como alinha seus interesses pela integridade e segurança do mercado.

Loeffler comenta ainda sobre a questão de entrega física e o armazenamento seguro de Bitcoin, afirmando que será integrado um serviço de custódia (sujeito a aprovação regulamentar).

“A segurança será apoiada por seguro, segurança cibernética e conformidade abrangente, incluindo um programa anti-lavagem de dinheiro e análise de blockchain.”

Conforme noticiado anteriormente, o COO da plataforma, Adam White, revelou detalhes da arquitetura de custódia da Bakkt. De acordo com ele, a plataforma utiliza tanto a arquitetura de warm wallet quanto de cold wallet (online e offline), sendo que as chaves privadas das warm wallets são protegidas com “módulos de segurança” que impedem a visualização, extração ou modificação do material de chave privada. Todas as chaves de cold wallets serão “criptografadas, fragmentadas e distribuídas geograficamente em uma arquitetura m-of-n”.

Citando proteções físicas, o COO afirma que todos os sistemas que gerenciam a arquitetura de chaves são protegidos em “cofres e datacenters com classificação de banco protegidos 24 horas por dia, 7 dias por semana”.

Foto de Beatriz Orlandeli
Foto de Beatriz Orlandeli O autor:

Simpatizante das criptomoedas, após cursar Arquitetura e Urbanismo, reavivou um antigo gosto pela escrita e atualmente trabalha como redatora do WeBitcoin.

biaorlandeli