O Facebook está pagando alguém para ouvir suas conversas!

Facebook admitiu que pagava funcionários para ouvir conversas. Empresa se defende dizendo que a captação era autorizada pelos usuários

Facebook e invasão de privacidade já são praticamente sinônimos. A notícia da vez foi divulgado originalmente pela Bloomberg e posteriormente pela BBC. Segundo a Bloomberg o Facebook empregava funcionários com a função de ouvir as conversas pessoais dos usuários em seu aplicativo messenger. Você pode conferir a matéria original (em inglês) clicando aqui.

O fato é que a Bloomberg conseguiu conversar com alguns funcionários contratados envolvidos. Eles disseram à agência de notícias que a ordem era de transcrever gravações de áudio. Contudo, esses funcionários afirmaram que não eram informados sobre onde o áudio era gravado ou como havia sido obtido. Segundo a Bloomberg, os trabalhadores ouviam as conversas dos usuários, às vezes incluindo conteúdo íntimo, porém, não tinham ciência de qual era o objetivo por trás da tarefa.

De acordo com o Facebook, isso foi feito para melhorar seus produtos, incluindo a inteligência artificial por trás de como as mensagens são transcritas dos usuários que optaram pela transcrição no Messenger.

A empresa acrescentou que os trechos de áudio foram anonimizados antes de serem ouvidos pelos trabalhadores. O Facebook disse ainda que nunca ouviu o microfone das pessoas sem permissão do dispositivo e ativação explícita.

Atualmente a atividade encontra-se suspensa, mas não antes de ter gerado muita polêmica. Não foi divulgado o que ocorria posteriormente com os arquivos de áudio usados no processo.

Através de uma porta-voz o Facebook explicou o fim do processo.

“Assim como a Apple e o Google, fizemos uma pausa na análise humana do áudio há mais de uma semana”

Por fim, o Comissário de Proteção de Dados da Irlanda, responsável pela supervisão e proteção de dados na União Europeia, deu seu parecer sobre o assunto:

“Estamos agora buscando informações detalhadas do Facebook sobre o processamento em questão e como o Facebook acredita que tal processamento de dados está em conformidade com suas obrigações da GDPR.”

Imagem de: Vitabello por Pixabay

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.