Omicron subiu 137% desde que a OMS nomeou a nova variante do COVID-19

A criptomoeda “Omicron” foi batizada semanas antes da nova variante COVID

Os mercados podem ter entrado em colapso depois que o Omicron, um novo coronavírus, emergiu no início desta semana e começou a se espalhar para um país perto de você.

Uma das melhores maneiras de lucrar com a miséria humana nesta semana foi investir em um projeto de criptomoeda que é mais conhecido por ter o nome da última variante de Covid-19.

Um único token Omicron agora vale US$ 404, um aumento de 137% nas últimas 24 horas e 735% em comparação com seu ponto mais baixo em 17 de novembro. Dados de negociação para a moeda na, CoinGecko, começaram em 8 de novembro. Uma pesquisa diz que 69 % dos usuários se sentem bem com a moeda.

O mercado da Omicron é muito pequeno. A Omicron negociou apenas US$ 389.181 nas últimas 24 horas e sua capitalização de mercado é “?” na CoinGecko. O token é negociado exclusivamente no Arbitrum One via SushiSwap.

O token Omicron alimenta um protocolo descentralizado de moeda de reserva na Arbitrum Network. O token é apoiado por uma cesta de ativos, incluindo USDC e tokens de provedor de liquidez vinculados ao MIM. É um fork do OlympusDAO, um novo projeto DeFi que apoia seu token por meio de ligações blockchain primitivas.

A principal maneira de continuar a bombear o preço do token Omicron e de sua fazenda de produção é por meio do “aumento da oferta“, e tudo desmorona se as pessoas pararem de investir dinheiro. Até agora, US $ 671.081 foram depositados dentro de seus protocolos, o que leva a rendimentos anuais projetados de tirar o fôlego de 70.377% para os participantes (a menos que os desenvolvedores desliguem o plugue ou as pessoas parem de investir dinheiro ou se qualquer um dos incontáveis ​​motivos que comumente levam ao colapso das fazendas de rendimento materializar).

Portanto, é apenas outro farm de rendimento baseado em títulos, que por acaso tem o mesmo nome que a nova variante Covid-19, que embora oportuna tem simplesmente o nome da décima quinta letra do alfabeto grego.

O projeto cripto não faz menção ao vírus em sua documentação e seu primeiro anúncio do Discord foi enviado no início do mês, várias semanas antes de a última variante ser nomeada Omicron pela Organização Mundial de Saúde. Dito isso, a conversa sobre vírus está disseminada no bate-papo do projeto com 500 pessoas no Discord e no Twitter.

https://twitter.com/artoriamaster/status/1464960429051031553?s=20

De referir que esta moeda, cujo ticker é OMIC, não é a primeira moeda Omicron. Isso vai para outra moeda, que atende pelo nome de cotação OMC no CoinMarketCap, e não é comercializada em nenhum mercado popular.

O Omicron original apareceu pela primeira vez em, 31 de agosto de 2016, no fórum Bitcoin Talk como uma “moeda emissora de dividendos”. O projeto alegou ter levantado 121 Bitcoins, agora no valor de US$ 6,5 milhões (antes que o vírus Omicron quebrasse os mercados esta semana, seu aumento teria valido muito mais). Depois de um punhado de pagamentos de dividendos, o projeto se extinguiu.

Se ao menos os criadores do projeto pudessem prever a importância do nome “Omicron” apenas cinco anos depois. Pelo menos eles previram que toda a coisa de cripto explodiria.

Fonte: DeCrypt

Foto de Neidson Soares
Foto de Neidson Soares O autor:

Conheceu esse universo dos criptoativos em 2016 e desde 2017 vem intensificando a busca por conhecimentos na área. Hoje trabalha juntamente com sua esposa no criptomercado de forma profissional. Bacharelando em Blockchain, Criptomoedas e Finanças na Era Digital.

neidson8