Os EUA se tornaram o líder na taxa de hash de Bitcoin segundo dados da Cambridge

Após a proibição da mineração de BTC na China, o país não é mais o líder em termos de taxa de hash rate – os Estados Unidos são.

As consequências da proibição chinesa de qualquer coisa em criptoativos, incluindo mineração, levaram a uma mudança massiva, já que os EUA ultrapassaram a China em termos de participação na taxa de hash do Bitcoin, mostraram dados recentes.

O fim do império chinês do Hash Rate.

Embora o bitcoin e o resto da indústria de criptomoedas tenham sido banidos dentro das fronteiras da China por quase todo o tempo que existem, o país foi responsável pela maior parte da taxa de hash BTC por um longo tempo.

Na verdade, nenhuma outra nação chegou perto quando a eletricidade mais barata na China atraiu os mineradores. Dados do mapa de mineração da Universidade de Cambridge exemplificam esse domínio. Por exemplo, a participação da taxa de hash da China era de mais de 75% no final de 2019.

À medida que o país progredia com suas proibições internas e expulsava com sucesso os mineradores, o número começou a diminuir gradualmente. No entanto, caiu para zero agora, mostra o mapa de mineração, já que as autoridades chinesas ordenaram que todos os mineradores parassem as operações e deixassem o país no início deste ano.

Mapa de mineração de Bitcoin por países. Fonte: Cambridge

Ao fazer isso, a nação mais populosa do mundo prejudicou a rede Bitcoin, pois a taxa de hash caiu 60% em alguns meses. No entanto, devido à maneira única como o maior blockchain é configurado – ou seja, o mecanismo de dificuldade de autoajuste, e devido à realocação bem-sucedida dos mineradores, a métrica recuperou muito terreno, apesar de ainda estar longe dos ATHs.

Taxa de hash de bitcoin. Fonte: Bitinfocharts

Anos depois: os EUA conquistam a China

O declínio da participação da taxa de hash rate chinês permitiu que outros países aumentassem sua presença. Durante os dias mais sombrios da proibição no gigante país asiático, começaram a surgir relatórios de que os mineradores começaram a se mudar para o oeste.

Um dos destinos mais citados foram os Estados Unidos. Enquanto alguns proponentes americanos do BTC estavam instando os mineradores de fato a se mudarem para lá, alguns políticos, como o prefeito de Miami, tentaram atraí-los com incentivos fiscais e eletricidade barata.

Parece que esses esforços deram certo, pois o mapa da mineração mostra que os Estados Unidos agora são responsáveis ​​pela maior parte da taxa de hash com 35,4%. Isso significa que a maior nação do mundo em PIB nominal mais do que dobrou sua participação desde abril deste ano.

O próximo na fila agora é o Cazaquistão com 18,1%, seguido pela Federação Russa (11,2%) e Canadá (9,6%).

 

Fonte: CryptoPotato

Foto de Neidson Soares
Foto de Neidson Soares O autor:

Conheceu esse universo dos criptoativos em 2016 e desde 2017 vem intensificando a busca por conhecimentos na área. Hoje trabalha juntamente com sua esposa no criptomercado de forma profissional. Bacharelando em Blockchain, Criptomoedas e Finanças na Era Digital.

neidson8