Os navegadores mais usados em 2019 até o momento

Guerra dos navegadores já teve diversos líderes

Firefox? Safari? Ópera? Há uma chance realmente grande de você, caro leitor, não usar nenhum desses navegadores. Contudo, um número expressivo de pessoas ainda não se dobrou (ou simplesmente abandonou) o popular Google Chrome. Nesse post falaremos um pouco a respeito dos navegadores mais usados em 2019 até o presente momento (dados da w3schools baseado em usuários de Windows).

Google Chrome

Não é surpresa pra ninguém o fato de que o Google Chrome é o navegador mais utilizado no mundo, e com ampla vantagem em relação aos concorrentes. Lançado em setembro de 2008 (faz tempo), o Chrome rapidamente ampliou seu número de usuários no decorrer dos anos. Os 3,6% do mercado que usavam o Chrome em dezembro de 2008 logo escalaram para quase 10% apenas um ano depois.

Em abril de 2011 o então líder de mercado, Internet Explorer, foi ultrapassado pelo navegador do Google. Em fevereiro de 2013 o Google Chrome já havia conseguido angariar 50%, sim, isso mesmo, metade de todo o público que navegava na internet através de um computador. O crescimento assustador não parou por ai. Em julho desse ano o Chrome chegou a concentrar 80,9% de todos os usuários na internet em computadores.

Vale lembrar que o sucesso não veio por acaso. Ano após ano pudemos ver o Google investindo pesado em seu navegador, implementando melhorias e divulgando em massa. Hoje é disparado o maior navegador do mundo em número de usuários.

Mozilla Firefox

A Mozilla tenta, tenta, e tenta mais um pouco ainda, mas seu número de usuários não para de cair. Registrando uma fatia de 9,3% do mercado em julho desse ano, o Firefox não tem um mês com ganhos de usuários desde o último mês de janeiro. Outrora detentor de quase metade do mercado (47,9% em julho de 2009), o navegador da Mozilla amarga o tempo de vacas magras que parece não ter fim.

Um respiro de alegria pode estar se aproximando com novo navegador da Mozilla, o Firefox 69. Abastecido com novos componentes de segurança que bloqueiam cryptominers, cookies de rastreamento e reprodutores automáticos de áudio e vídeo, a empresa tenta resgatar o mercado que um dia foi seu. Para saber mais sobre o navegador basta clicar nesse link para ir até a página oficial.

Microsoft Edge/Internet Explorer

O mais famigerado, criticado, crucifixado navegador. A verdade é que o Microsoft Edge ainda paga os pecados de seu pai, Internet Explorer (esse era ruim com vontade). O ME corresponde hoje à 3,3% do mercado de navegadores, menos do que o Google Chorme teve em seu mês de lançamento mais de 10 anos atrás.

É inegável a importância do Internet Explorer na construção do que temos hoje como cyber espaço. O Explorer evoluiu junto com a internet e cresceu junto com muitos jovens da época que hoje são homens e mulheres feitos.

O Internet Explorer chegou a ter o impressionante número de 88% do total de usuários em março de 2003. O IE só perdeu a liderança do mercado em janeiro de 2009, sendo ultrapassado pelo Firefox enquanto caía para 44,8% dos usuários. Dai em diante o que se viu foi uma história parecida com a do rival Firefox. A cada ano uma queda pior que a outra, com o já mencionado mês de julho desse ano registrando a pior marca dos navegadores da Microsoft em todos os tempos. O IE própriamente dito foi aposentado em dezembro de 2015, passando o bastão para o atual Microsoft Edge (que na prática continua sendo o Internet Explorer, apenas um tanto melhorado).

Tantos navegadores mas… cadê o Safari?

É claro que não poderíamos deixar de falar do Safari, escolha primordial de muitos usuários. O navegador da Apple não chega a ter uma grande fatia de mercado por se tratar de um programa de nicho. A máxima atingida pelo Safari ocorreu em abril de 2012 com modestos 4,5% do mercado. O navegador parou de ser atualizado pela Apple em sua versão para Windows, mas segue firme e forte em aparelhos iPhone e Mac da marca.

Fonte: w3schools.com

 

E aí, gostou da nossa lista? Deixe sua opinião nos comentários e quem sabe não nos vemos em uma lista mobile… até a próxima!

*Imagem de Gerd Altmann por Pixabay

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.