Ouro e Bitcoin no mundo pós-COVID-19

Especialistas indicam que a pandemia pode ter acelerado o processo de digitalização da economia

A nova década que começa em 2020 será lembrada para sempre pela mudança abrupta que trouxe à economia e ao mundo. As tensões econômicas durante essas condições incomuns e novas fizeram com que “hard assets” como ouro e Bitcoin prosperassem.

De acordo com o co-fundador de uma empresa de investimento em ouro digital, o novo mundo pós-COVID se moverá cada vez mais para investimentos digitais como uma proteção contra a política monetária negligente.

Tensões comerciais, pandemia e um mundo digital em movimento

Enquanto a tendência realmente começou a se desdobrar no início de 2019, o ouro e o Bitcoin em ascensão estavam antecipando o que estava por vir quando 2020 chegasse.

O que finalmente aconteceu, não foi apenas o aumento das tensões comerciais entre os EUA e a China ou a potencial de guerra entre os EUA e o Irã. Foi uma pandemia diferente de tudo que o mundo moderno já viu.

A pandemia rapidamente dizimou a economia e levou o mundo a um estado confinado.

O Bitcoin e o ouro inicialmente viram um forte colapso na “Black Thursday”, ao lado das ações, mas desde então demonstraram um aumento da demanda, já que os investidores temem o impacto a longo prazo que a atual política monetária focada no estímulo terá sobre o valor da moedas.

Ao contrário das moedas fiduciárias que podem ser impressas por capricho pelos bancos centrais, o ouro e o Bitcoin tem uma oferta difícil e escassa que dá valor agregado a esses ativos em tempos de crise. Além disso, esses ativos são deflacionários e terão um desempenho ainda mais forte no ambiente de hiperinflação que aparece no horizonte.

Isso aumentou a demanda pelo metal físico e precioso a tal ponto que as barras de ouro estão se tornando um artigo “premium”.

Entretanto, nem tudo é devido à demanda crescente. As condições de lockdown provocadas pela pandemia encerraram instalações de mineração e refinarias. Menos ligas de ouro bruto estão sendo extraídas da terra até o ponto em que a oferta não consegue acompanhar a demanda.

Como a oferta é restrita, a demanda está aumentando e os investidores não têm uma maneira de acessar e manter a forma física do ouro. Segundo o cofundador da Digix, Shaun Djie, é provável que os investidores se voltarão cada vez mais para o ouro digital.

“Toda a proliferação de moedas digitais está crescendo bastante devido a eventos como a COVID-19. Tempos difíceis como esses obrigam as pessoas a usar a tecnologia de novas maneiras, seja comunicação ou compra de alimentos ”, acrescentou Djie.

“O ouro irá se parecer mais com o Bitcoin”

Embora Djie esteja se referindo especificamente ao token DGX de sua empresa – um token de criptomoeda apoiado pelo “peso do ouro” – isso também ajudará o Bitcoin.

Cada token DGX está diretamente vinculado ao valor de um grama, apoiado em barras de ouro suíço reais de 100 gramas produzidas por refinarias como o Produits Artistiques Metaux Precieux (PAMP).

Esses tokens de criptomoedas apoiados em ouro cresceram em popularidade recentemente e surgiram para concorrer com Tether Gold, Paxos Gold e outros.

Djie diz que os “prós e contras de possuir o ouro digital é a própria tecnologia”, referindo-se à tecnologia blockchain em que é construída.

O Bitcoin compartilha todos os mesmos atributos que o metal precioso e já existe em formato digital.

Desde o início da pandemia, até a VISA viu um aumento nos novos usuários em tecnologias digitais. À medida que isso se torna a “nova norma”, o ouro digital, o Bitcoin e outros pagamentos digitais se tornarão cada vez mais a maneira preferida de gastar dinheiro e investir.

E, à medida que o suprimento de ouro continua diminuindo, o acesso às versões digitais dos metais preciosos se tornará mais popular com o tempo.

Fonte: Bitcoinist

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader desde 2017. Aficionado por tecnologia e entusiasta das criptomoedas, viu no WeBitcoin a oportunidade de unir duas paixões.