Patente do Walmart visa criar rede elétrica baseada em Bitcoin

A gigante do varejo Walmart ganhou uma patente para criar uma rede elétrica que se baseia em bitcoin, ou outra criptomoeda.

Leia mais: Extensão Adblock Plus utilizará blockchain para detectar fake news

O sistema, descrito por uma patente concedida pelo Escritório de Patentes e Marcas dos Estados Unidos (USPTO) hoje, foi designado para ajudar organizações a gerenciarem melhor a utilização de energia em aparelhos elétricos individuais. A Walmart requereu a patente em dezembro do ano passado.

Segundo a patente, residências ou grandes organizações podem usar o blockchain ou outro tipo de registro distribuído para construir uma rede de dispositivos que consomem energia. As pessoas podem então definir para cada dispositivo uma quantidade de bitcoin ou outra criptomoeda, que pode ser utilizada para comprar eletricidade de um provedor de utilidade dentro de um período a ser cobrado, como mensalmente. Consta na patente:

“Cada criptomoeda pode representar uma unidade ou uma porção de uma unidade de energia. A criptomoeda pode ser bitcoin, uma altcoin ou um derivado do bitcoin, ou outra moeda digital.”

Se um dispositivo individual exceder sua alocação de criptomoedas, outro dispositivo da rede pode compartilhar seus fundos com o primeiro, garantindo que ele continue funcionando durante o período definido. Contudo, estas transações — que seriam armazenadas em um sistema de registros distribuídos — também demonstraria aos proprietários de dispositivos que um determinado aparelho está consumindo mais energia do que deveria.

Leia mais: É pouco provável que os bancos adotem blockchain para processar pagamentos internacionais por enquanto, afirmou a Ripple

Conforme explica a patente:

“Atualmente, fornecedores de energia entregam energia a localizações que a utilizam de forma ineficiente, o que leva a elevados custos para os clientes. Os custos maiores resultam de várias aplicações e dispositivos que consomem energia em grande níveis acima do que é necessário para que funcionem. Aplicações inteligentes e dispositivos estão agora disponíveis para consumidores que podem operar mais energia eficientemente, mas ainda consomem mais energia do que o necessário ou é economicamente prático.”

Similarmente, se uma rede individual utiliza menos do que a energia alocada para consumo, ela pode ser estruturada para compartilhar esta energia com outra rede. Alternativamente, a rede pode ser programada para vender excesso de criptomoedas ou alocá-las para o próximo período de cobrança.

Walmart não é a primeira companhia a desenvolver um sistema que utiliza a tecnologia das criptomoedas para gerenciar de forma eficiente uma rede elétrica. A startup australiana Power Ledger está construindo uma plataforma que permite aos seus usuários comprar e vender energia solar em tempo real.

Leia mais: Líder irlandês fala sobre blockchain e seus planos de tornar Dublin a capital tecnológica da Europa

Fonte: CCN