Pesquisa: Apenas 376 pessoas possuem 33% de todo o suprimento de Ethereum

Baleias controlam um terço de todo Ethereum circulante

De acordo com uma pesquisa publicada recentemente pela Chainalysis, atualmente um total de 376 pessoas controlam 33% de todo o suprimento de Ethereum (ETH) do mercado.

Apesar de parecer um valor considerável, 33% é um retração se comparado ao índice de 2016, quando 47% do suprimento de Ethereum estava em posse das chamadas “baleias”. A diminuição pode ser resultado tanto da liquidação dos ativos, quanto da emissão de mais ETH sem a incidência de compra pelo grupo.

Para a pesquisa, a Chainalysis considerou os 500 maiores detentores da moeda, dos quais 124 são “serviços”.

Segundo a estatística, mais de 35 milhões de ETH estão em posse de menos de 400 pessoas, o que em outros casos poderia afetar de forma significativa o valor do ativo, o que não ocorre com o Ethereum. A pesquisa aponta que o ativo não passa por tal situação pois cerca de 60% das baleias representam apenas 7% de toda a atividade econômica do ativo, o que acaba não atingindo seu valor de forma significativa. Por outro lado, suas grandes vendas resultam em um mercado mais volátil.

O estudo também descobriu que, eu um nível diário, nem o Bitcoin e nem a movimentação (envio ou recebimento de fundos) possuem grandes impactos no preço do ETH, o que não significa que não contribuem com a volatilidade ou com uma mudança de valor a longo prazo.

Apesar de ocupar a posição de segunda maior criptomoeda do mercado, o Ethereum recebe críticas de alguns investidores por não ser um ativo limitado, apresentando apenas um sistema de emissão controlada.

Com um suprimento circulante aproximado de 106 milhões, no momento da escrita o Ethereum possui o valor unitário de US$251 de acordo com o CoinMarketCap, uma valorização de 47% em relação à semana passada.

Foto de Beatriz Orlandeli
Foto de Beatriz Orlandeli O autor:

Simpatizante das criptomoedas, após cursar Arquitetura e Urbanismo, reavivou um antigo gosto pela escrita e atualmente trabalha como redatora do WeBitcoin.

biaorlandeli