Petro: Senadores americanos impõem fortes sanções à criptomoeda venezuelana

Projeto de Lei é extensão de ordem executiva assinada por Trump

Procurando estabelecer determinada restrição à criptomoeda, senadores americanos buscam desenvolver fortes sanções contra o Petro.

A decisão foi tomada por um grupo bipartidário, que pretende utilizar uma ordem executiva para proibir residentes americanos de fornecer software ao governo venezuelano.

O projeto de lei foi patrocinado por 9 senadores e apresentado pela primeira vez ao Congresso em 24 de setembro, sob o nome “Lei de Assistência Humanitária Venezuelana, Reconstrução e Estado de Direito de 2018”.

O projeto é uma extensão da ordem executiva assinada por Donald Trump em março, que impôs sanções à Venezuela.

Leia mais: Taxas para emissão de passaporte na Venezuela deverão ser pagas em Petro

Os termos descritos no projeto são claros:

“Todas as transações relacionadas ao financiamento e demais negociações realizadas por uma pessoa dos Estados Unidos ou nos Estados Unidos, qualquer criptomoeda ou token emitido por, para ou em nome do Governo Venezuelano (…) são proibidos a partir da data efetiva deste pedido”.

Aparentemente, a medida é descrita como “ajuda humanitária ao povo venezuelano e aos imigrantes venezuelanos, visando promover uma solução constitucional e democrática para a crise política da Venezuela, para enfrentar a reconstrução econômica (…), combater a corrupção política, narcotráfico e lavagem de dinheiro, e para outros fins.”

“(..) não há nada novo nos EUA restringindo transações financeiras com países sancionados. Emitir a criptomoeda não ajudará a Venezuela a escapar das sanções.”, disse Jerry Brito, diretor executivo do Coin Center.

A venda pública oficial do Petro iniciará no dia 5 de novembro.

Leia mais: Criptomoedas significam que intermediários financeiros desaparecerão

FONTE: BITCOIN.COM