Por que 2021 será o ano das cross-chain?

O ano de 2020 certamente deu muitas alegrias para a comunidade cripto

2020 foi o ano em que DeFi conquistou o mundo da blockchain. Enquanto o resto do planeta provavelmente se lembrará de 2020 como o ano de COVID-19 e lockdown, os entusiastas cripto também se lembrarão dele como o ano das criptomoedas e projetos DeFi. Isso não foi sem uma boa razão, no entanto, já que em 2020 o TVL nos protocolos DeFi cresceu de $ 675 milhões para $ 16,2 bilhões.

Outras partes de DeFi também tiveram um bom desempenho, já que o valor em dólares das stablecoins aumentou de $ 5 bilhões no início do ano para $ 26,4 bilhões.

Entretanto, nem todas as notícias foram boas para as finanças descentralizadas, já que o pólio da cadeia Ethereum, que assume a maior parte de DeFi, foi colocado sob crescente estresse, com tempos de transação desacelerando e taxas de gás disparando. Os custos médios de transação na rede dispararam em 2020, de alguns centavos no início do ano para mais de US$ 12 em setembro. Isso, por sua vez, levou a uma série de projetos promovendo a tecnologia cross-chain como uma solução de longo prazo, distribuindo o peso por várias blockchains.

Ascensão cross-chain

Embora a tecnologia cross-chain tenha recebido um foco particular graças aos desafios de dimensionamento enfrentados pela Ethereum, ela não é de forma alguma o único caso de uso para cross-chain ou a razão pela qual ela dominará o próximo ano. A interoperabilidade tem sido uma aspiração dentro da blockchain por um tempo considerável e agora a tecnologia está finalmente alcançando seus ideais.

Um dos projetos que adicionam um impulso considerável à tendência da cadeia cruzada é o Fire Protocol, desenvolvido na Huobi Smart Eco Chain. O Fire Protocol usa tecnologia cross-chain para trazer centenas de ativos digitais para o ecossistema Huobi.

Uma DEX apelidada de FireSwap também faz parte da oferta e fornece agrupamento de ativos cross-chain, o que é de particular importância na redução da tensão em redes sobrecarregadas, como Ethereum. O Fire Protocol também é apoiado por seu próprio token proprietário FIRE, que é usado para alimentar mecanismos de incentivo, como propostas da comunidade e para votação de usuários.

PlasmaPay é outro projeto DeFi emergente que exalta a tecnologia cross-chain. O sistema de banco on-line e o agregador DeFi continuamente divulgam a mensagem de que, para levar DeFi ao público mais amplo, o setor não pode depender de uma única rede. Quando o HyperLoop cross-chain da PlasmaPay for lançado em 2021, ele se juntará a um número crescente de soluções cross-chain, incluindo Matic.

Interoperabilidade

Além do desejo de maximizar a eficácia de DeFi, a tecnologia cross-chain e a interoperabilidade estão no centro de uma série de redes de blockchain de próxima geração. Cosmos e Polkadot estão entre as mais conhecidas deles. Cosmos Network promete “o mais poderoso ecossistema de blockchains conectado”, para o qual eles cunharam a frase Inter-Blockchain Communication (IBC).

A ideia é intrigante e vários projetos já estão sendo desenvolvidos, incluindo IRISnet, e-Money, Sentinel e Agreements Network. A rede Binance também se baseou na tecnologia Cosmos, mas não está claro em que grau a Binance abraçou a ideia de interoperabilidade neste estágio.

Polkadot é a solução cross-chain desenvolvida pelo co-criador da Ethereum, Gavin Wood. Tal é o forte pedigree e escopo do projeto que foi recentemente apontado como o “matador de Ethereum” pela Bloomberg. Quer Polkadot possa cumprir esse faturamento ou não, há muitas evidências que sugerem que 2021 será o ano das cross-chain.

Fonte: Bitcoinist

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.