Problema de crença no Bitcoin: apenas 26% confiam em criptomoeda descentralizada

As pessoas têm duas vezes mais chances de confiar nas moedas digitais emitidas pelo banco central do que nas criptomoedas descentralizadas (como no caso do Bitcoin), de acordo com uma pesquisa da Economist

A familiaridade com as moedas digitais está sempre alta, mas a confiança em criptomoedas descentralizadas como o Bitcoin é extremamente escassa, de acordo com uma pesquisa com mais de 3.000 usuários de pagamentos digitais.

A pesquisa, da Economist Intelligence Unit e da plataforma de pagamentos digitais Crypto.com, descobriu que as pessoas tem mais do dobro de probabilidade de confiar em uma moeda digital emitida por um banco central (54%) do que em uma criptomoeda descentralizada (26%).

Digital-currency-trust-ratings

Os benefícios das moedas digitais incluem rastreamento financeiro aprimorado, aumento da inclusão financeira e redução de custos. Isso levou os governos da China e Suécia, além das empresas – incluindo o Facebook e o banco de investimentos J. P. Morgan – a experimentar suas próprias versões de criptomoedas. Nos EUA, os pedidos de um dólar digital estão crescendo.

Enquanto a confiança nas moedas digitais lastreadas em bancos centrais obteve a pontuação mais alta, a confiança nas emitidas por grandes empresas financeiras ficou em segundo lugar, com 40%, enquanto as grandes empresas de tecnologia receberam uma aprovação ligeiramente menor, com 36%. Os entrevistados disseram que confiariam mais em bancos e grandes empresas – envolvidas em tecnologia ou finanças – do que em uma moeda digital descentralizada como o Bitcoin, que não é apoiada por nenhuma organização em particular.

“Não é surpreendente”, disse Danny Scott, CEO da British Bitcoin exchange CoinCorner, à Decrypt. “Com apenas 11 anos de idade, o Bitcoin ainda está engatinhando, enquanto os bancos centrais existem há centenas de anos. O Bitcoin muda a maneira como pensamos sobre dinheiro. Passar de um modelo controlado e “confiável” para um modelo completamente descentralizado é bastante estranho e levará tempo “.

O conceito de ficar sem dinheiro já é forte

A pesquisa entrevistou usuários de pagamentos digitais em países desenvolvidos (EUA, Reino Unido, França, Coréia do Sul, Austrália e Singapura) e países em desenvolvimento (Brasil, Turquia, Vietnã, África do Sul e Filipinas).

Ela descobriu que 85% estavam familiarizados com criptomoedas, mas ainda persistem problemas de confiança e entendimento.

Scott considera que isso levará tempo para ser resolvido. “Há um longo caminho a percorrer quando se trata de educação sobre moedas descentralizadas”, disse ele. Entretanto, ele também questionou a lógica de confiar em um conceito hipotético, como uma moeda digital do banco central “que ainda não existe”.

A pesquisa também revelou que o conceito de ficar sem dinheiro já é forte, com uma variedade de tecnologias substituindo notas e moedas físicas – o dinheiro é apenas o terceiro meio de pagamento mais popular. 10% dos entrevistados consideram que seu próprio país já não possui dinheiro (predominantemente usando métodos de pagamento digitais em vez de físicos). E mais 20% das pessoas disseram que atualmente não usam moedas digitais, mas planejam usá-las no próximo ano.

Se as criptomoedas descentralizadas podem finalmente conseguir capturar nossa confiança e tomar o lugar do dinheiro, pode muito bem depender de como os bancos e as grandes empresas se comportam.

Fonte: Decrypt

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader desde 2017. Aficionado por tecnologia e entusiasta das criptomoedas, viu no WeBitcoin a oportunidade de unir duas paixões.