Qual será a próxima moeda de reserva mundial?

Poderia ser uma criptomoeda?

A guerra comercial EUA-China pode se tornar terrível a qualquer momento e as duas maiores economias podem transformar em armas suas moedas nacionais através da desvalorização. Mas isso inspira alguma confiança no dólar? Está na hora de pensar em uma moeda de reserva mundial digital?

Tivemos outras moedas de reserva mundial no passado

Se olharmos para a história, houveram várias moedas de reserva mundial ao longo dos séculos. Nos últimos seiscentos anos, a economia global foi dominada pelos países europeus até os EUA assumirem a liderança.

A partir dos anos 1400, depois que os europeus descobriram e exploraram as terras americanas. Portugal, Espanha, Holanda, França e Reino Unido viram sua moeda dominar o comércio internacional.

O dólar dos EUA ganhou seu status de moeda de reserva mundial após o acordo de Bretton Woods em 1944, destronando a libra britânica.

Curiosamente, cada moeda de reserva mundial do passado manteve seu domínio por 80 a 110 anos. Oficialmente, o dólar dos EUA desfruta desse status há 75 anos. No entanto, a moeda americana foi usada no comércio internacional antes do acordo de Bretton Woods. Há um sentimento de que o “prazo” está próximo.

O que preocupa o dólar é que ele não está mais em conformidade com o sistema de Bretton Woods. Em 1971, o governo Nixon cancelou o pino de ouro e criou o cenário para o atual sistema de petrodólares. Isso significa que os EUA poderiam imprimir seu dinheiro de papel (na verdade têxtil) mais livremente e viver à custa de outros, já que todos precisavam de petróleo para suas economias.

No entanto, os produtores de petróleo podem parar de vender sua gasolina por dólares americanos a certa altura, e o mundo adotará carros elétricos de qualquer maneira. Depois, há países do BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) que representam uma ameaça real ao domínio do dólar.

E agora estamos no meio de uma guerra comercial que pode levar a consequências desconhecidas. O Fed está jogando sua carta de alívio, mas a realidade é que o banco central não sabe aonde taxas de juros ultra-baixas podem levar.

Chegou a vez do bitcoin?

Lembra da capa do “The Economist” de 1988?

Parece bastante intrigante, pois exige uma moeda mundial e exibe uma moeda que se assemelha ao Bitcoin muito antes de Satoshi apresentar seu conceito de criptomoeda. O símbolo Phoenix também é relevante. O fato do The Economist pertencer a famílias como Agnelli e Rothschild desencadeou muitas teorias da conspiração.

No entanto, com ou sem uma conspiração oculta, o mundo está se movendo em direção a outra moeda mundial, e as chances são de que essa seja uma moeda digital descentralizada, e a aposta global é o bitcoin.

Recentemente, Agustin Carstens, CEO do Banco de Pagamentos Internacionais (BIS), disse ao Financial Times que os bancos centrais vão emitir moedas digitais mais cedo do que esperamos.

Embora possamos ter uma criptomoeda de reserva mundial, os governos ainda a controlarão. Provavelmente dependerá de uma blockchain autorizada, e não de uma rede pública.

Fonte: Bitcoinist

Foto de Bruno Lugarini
Foto de Bruno Lugarini O autor:

Estudante de Sistema da Informação, técnico de informática, apaixonado por tecnologia, entusiasta das criptomoedas e Nerd.