Quão afetado pela crise foi o mercado cripto?

Relatório criado pela Binance Research foi publicada hoje (01). Material destrincha os efeitos da crise para o mercado cripto, além de dar ênfase ao desempenho do Bitcoin

O relatório intitulado “How Has the Recent Market Turmoil Impacted Cryptocurrencies?” (“Como a turbulência recente do mercado afetou as criptomoedas? – em tradução livre) foca em uma análise do desempenho do mercado cripto no primeiro trimestre de 2020.

O material foi publicado no site oficial da Binance Research e divulgado nas redes sociais da mesma.

binance research relatório

De modo geral, segundo o relatório:

“A turbulência do mercado, explicada parcialmente pela crise em curso com o COVID-19, levou a mudanças negativas de preços na maioria das classes de ativos tradicionais, como petróleo, commodities, ações e títulos corporativos. Apesar de o Bitcoin exibir uma correlação positiva significativa com as ações dos EUA no primeiro trimestre de 2020, esse alto coeficiente de correlação permanece muito improvável de persistir no médio e longo prazo.”

Esse ponto referente ao possível fim da correlação do Bitcoin com os mercados tradicionais joga um balde de água fria em parte da comunidade que via tal fato como algo positivo. Para muitas pessoas, essa correlação era um símbolo do amadurecimento do Bitcoin como ativo financeiro.

Outro ponto abordado é quão ruim foi o desempenho do mercado cripto nos três primeiros meses desse ano. O Bitcoin perdeu -37,5% de seu valor em 12 de março de 2020 (você pode ler uma matéria completa sobre a queda desse dia clicando nesse link, naquele que acabou sendo a maior queda diária do Bitcoin em muito tempo.

De um fundo abaixo de US $ 4.000, o preço do Bitcoin se recuperou no fim do mês, fechando em 31 de março acima de US$ 6400.

Segundo o relatório:

“Durante o trimestre, o preço do Bitcoin caiu -10,49%, tornando-o um dos piores desempenhos da nossa amostra de criptomoedas. Em comparação, o Ethereum (ETH) foi ligeiramente positivo, com um retorno trimestral de 3,07%. SV (BSV), LEO, ChainLink (LINK) e Tezos (XTZ) exibiram ganhos positivos significativos graças a fatores idiossincráticos (ou seja, elementos específicos do projeto, como notícias importantes, lançamento da rede principal, forks, etc).”

Ou seja, em síntese, o Bitcoin esteve muito abaixo da média do mercado cripto, inclusive puxando-o para baixo. Algumas altcoins conseguiram performar bem mesmo em tempos de crise.

Quem se interessar pelo relatório pode ler o material completo (em inglês) clicando nesse link.

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader desde 2017. Aficionado por tecnologia e entusiasta das criptomoedas, viu no WeBitcoin a oportunidade de unir duas paixões.