Quentin Tarantino é processado pela Miramax por vender NFTs do clássico Pulp Fiction

O estúdio alega que a iniciativa do diretor é ilegal, pois não houve concessão de direitos.

Quentin Tarantino, diretor famoso pela produção de inúmeros clássicos do cinema, está sendo processado pelo estúdio Miramax. O motivo: Tarantino está planejando lançar tokens não fungíveis (NFTs) inspirados em Pulp Fiction, lançado em 1995.

A iniciativa gerou bastante rebuliço entre os cinéfilos, o que chamou a atenção da Miramax, também. A diferença é que, no caso do estúdio, a repercussão não foi positiva.

Ontem (16), foi protocolado processo contra o diretor, que não possui direitos legais para a criação e comercialização de tokens não fungíveis para a película.

O estúdio alega, além de infração de copywright, quebra de contrato e competição injusta, visto que o nome do artista, por conta do sucesso do filme, superou o do estúdio.

Quem está por trás dos NFTs?

Tarantino realizou parceria com o SCRT Labs, um ecossistema recente em blockchain. O lançamento dos NFTs dentro da plataforma seria uma das primeiras iniciativas a serem lançadas dentro da Secret Network.

https://twitter.com/TarantinoNFTs/status/1458891704791089155?s=20

Os que adquirirem os tokens terão acesso a conteúdos exclusivos, como comentários em áudio e partes cortadas do filme original.

Confusão

Segundo o The Hollywood Reporter, um advogado de Tarantino acredita que, como o diretor possui direitos de reprodução de suas obras, é possível, por meio contratual, criar colecionáveis em NFT.

Por outro lado, a Miramax diz que possui os direitos para tal finalidade – e que estaria interessada em lançar NFTs oficiais para os clássicos.

Toda a questão pode ser um pouco mais complexa do que ambos alegam: afinal, quando o filme foi lançado, ninguém imaginaria que algo, como as NFTs, sequer existiria. Portanto, o que determinará quem será o vencedor serão os limites legais dos “direitos reservados”.

Foto de Rafael Motta
Foto de Rafael Motta O autor:

Jornalista, trader e entusiasta de tecnologia desde a mais tenra juventude. Foi editor-chefe da revista internacional 21CRYPTOS e fundador da Escola do Bitcoin, primeira iniciativa educacional 100% ao vivo para o mercado descentralizado. Foi palestrante na BlockCrypto Conference, em 2018.