Real atinge maior alta semanal em 5 meses

Provável vitória do candidato democrata nas eleições presidenciais estadunidenses enfraqueceu o dólar diante do real

O real subiu para uma alta de seis semanas na sexta-feira, além da maior alta semanal em 5 meses, com os traders citando a forte demanda de fundos estrangeiros e comentários de um diretor do banco central de que o banco pode intervir para apoiar a moeda se as saídas de fim de ano antecipadas perturbarem o mercado.

A crescente probabilidade de o candidato democrata Joe Biden vencer as eleições presidenciais dos EUA também apoiou o apetite por ativos de maior risco e de mercados emergentes, disseram os traders, observando o ambiente geralmente fraco para o dólar americano.

“Kanczuk sugeriu ao banco central sua estratégia com o ‘overhedge’. Ele provavelmente não deveria, mas está aí agora que eles estão procurando neutralizar o efeito do preço”, disse um trader em São Paulo.

Na manhã de sexta-feira, o diretor de política econômica do banco central, Fabio Kanczuk, disse que o banco pode intervir no mercado de câmbio antes do final do ano para minimizar qualquer possível interrupção de grandes saídas de fluxo antecipadas relacionadas às atividades de hedge dos bancos.

O real fechou as negociações na sexta-feira a 5,39 por dólar BRBY, alta de mais de 2,5% no dia para trazer seu ganho semanal para mais de 5%, seu melhor desempenho semanal desde a primeira semana de junho, segundo dados do Refinitiv.

Uma semana atrás, o real estava em uma baixa de cinco meses de 5,80 por dólar e parecia estar fechando a baixa de todos os tempos, perto de 6,00 por dólar atingida em maio.

Mas os dados do índice dos gerentes de compras do setor de manufatura e serviços na semana indicaram que a atividade econômica do setor privado está crescendo em seu ritmo mais rápido em mais de uma década, e o apetite geral por mercados emergentes também melhorou.

Na sexta-feira, economistas do Credit Suisse elevaram suas projeções de inflação e taxa de juros, argumentando que parte dos riscos crescentes em torno da inflação decorrem da queda persistente do real neste ano.

Um ciclo de aperto anterior e mais agressivo no próximo ano provavelmente apoiaria a moeda, dizem analistas.

Fonte: Nasdaq

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.