Rede Globo aponta mais uma suposta pirâmide financeira

A empresa Vik Traders está sendo investigada pela Polícia Federal de Brasília por suspeita de pirâmide financeira

A reportagem foi transmitida nesta segunda-feira (09), por meio da Tv Globo de Brasília, onde relata que a Delegacia de Repressão a Crimes Cibernéticos, investiga as ações da empresa Vik Traders por suspeita de pirâmide financeira. 

A suposta pirâmide financeira, oferecia rendimentos de até 3% ao dia, referentes as operações com Bitcoins e outras criptomoedas. A empresa administrava os investimentos dos clientes por meio de pacotes, quanto maior o valor do pacote adquirido pelo cliente, melhor será seu rendimento em cima da moeda digital. 

No entanto, a plataforma não havia autorização da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para atuar no mercado.

A empresa começou a pagar os investidores, mas logo em julho deste ano, os clientes passaram a enfrentar problemas com os saques. 

Segundo a reportagem, a advogada Naira Baldaza, teria feito dois investimentos em junho, obtendo lucro somente no primeiro, no valor de R$40 mil, já o segundo investimento de R$10 mil a empresa não fez o pagamento, então Naira acionou a justiça. 

“Como as pessoas começavam a lucrar, elas percebiam que o investimento poderia ser viável, e acabavam vendendo carros e imóveis. A gente tem pessoas no grupo que venderam bens para investir”, alegou a advogada na reportagem.

A Polícia Federal de Brasília informou que está investigando o caso, e que a suposta pirâmide financeira já chegou ao Ministério Público. 

Em comunicado oficial feito em setembro, a empresa alega que os saques e pagamentos estão sendo processados diariamente, mas alguns podem apresentar atrasos por conta de ajustes na plataforma. 

Desde a divulgação das informações, a empresa não se pronunciou em sua plataformas, muito menos aos clientes que estão cobrando por respostas.

 

Imagem de TheDigitalWay por Pixabay.

Foto de Mirian Romão
Foto de Mirian Romão O autor:

Graduada em Comunicação Social com ênfase em Jornalismo e Pós-Graduada em Comunicação em Redes Sociais.

mirian_romao