Reguladores dos EUA trabalham nas regras de como os Bancos poderão reter cripto

Se os reguladores não encontrarem uma maneira dos Bancos reterem criptomoedas, outras organizações o farão, disse Jelena McWilliams.

Os Estados Unidos buscarão regras regulatórias claras para permitir que os Bancos e seus clientes mantenham e operem com criptomoedas, disse a presidente da FDIC, Jelena McWilliams.

Como tal, os desenvolvimentos positivos provenientes da maior economia do mundo continuam, já que o país recentemente teve seu primeiro ETF Futuro de Bitcoin.

Bancos dos EUA devem manter criptografia?

Há um ano, os Bancos e criptomoedas eram dois termos mutuamente exclusivos, já que os primeiros se recusavam a reconhecer até mesmo a mera existência de ativos digitais.

O cenário começou a mudar nos EUA no início deste ano com o BNY Mellon – o Banco mais antigo do país – que anunciou os serviços de custódia de Bitcoin. Muitos outros o seguiram, e até mesmo ex-críticos conhecidos como JPMorgan e Goldman Sachs lançaram iniciativas pró-ativos digitais.

Os Bancos americanos poderiam dar um passo adiante, de acordo com Jelena Williams, presidente da Federal Deposit Insurance Corporation (FDIC). Durante um discurso recente, ela disse que os reguladores locais estão trabalhando em um roteiro para os Bancos melhorarem seus compromissos com às criptomoedas.

Isso inclui regras claras sobre como as instituições bancárias podem manter ativos digitais sob custódia. Ela também teme que outras organizações possam assumir esse papel se os Bancos não forem permitidos.

Conforme ela disse:

Se não trouxermos essa atividade para dentro dos Bancos, ela vai se desenvolver fora dos Bancos. Os reguladores federais não serão capazes de regulá-lo.

McWilliams acrescentou que o FDIC fez parceria com o Federal Reserve e o Gabinete do Controlador da Moeda nesta iniciativa.

As últimas notícias das criptomoedas dos EUA

Com alguns governos mundiais separados em dois campos principais ultimamente – pró-criptomoeda, como El Salvador, e anti-cripto, como a China – todos os olhos estavam voltados para os Estados Unidos para determinar sua abordagem.

O país estava um tanto indeciso, com muitos proponentes de ativos digitais culpando as autoridades pela falta de ações, enquanto outras nações estavam lançando ETFs e adotando às criptomoedas.

No entanto, os EUA tornaram-se significativamente mais ativos nos últimos meses. Tudo começou com o presidente do Fed, Jerome Powell, dizendo que o país não tem planos de seguir o caminho da China e proibir ativos digitais, o que mais tarde foi repetido pelo chefe da SEC, Gary Genser.

Notícias ainda mais positivas vieram na semana passada, quando o primeiro ETF Futuros de Bitcoin foi lançado nos Estados Unidos, após anos de espera. Pouco depois, outro chegou a Wall Street. No entanto, a comunidade ainda espera o lançamento do primeiro ETF de Bitcoin baseado em spot.

Fonte: Crypto Potato

Foto de Washington Leite
Foto de Washington Leite O autor:

Formado em Administração de Empresas, sou entusiasta da tecnologia e fascinado pelo mundo das criptomoedas, me aventuro no mundo do trade, sendo um eterno aluno.Bitcoin: The money of the future

WashingtonLeite_