Reino Unido proíbe a venda de derivativos de Bitcoin, Ethereum e XRP para consumidores de varejo

Problemas no horizonte…

bitcoin 4374654 1280

O mercado de derivativos de Bitcoin, Ethereum, XRP e outras criptomoedas sofreram um forte golpe, com a Autoridade de Conduta Financeira do Reino Unido (FCA) proibindo a comercialização para clientes de varejo. No anúncio oficial, o regulador declarou que os produtos acima são “prejudiciais” aos consumidores por 5 motivos principais.

Em primeiro lugar, o regulador afirmou que os ativos subjacentes não dispõem de uma base fiável para proteger o seu valor. Em segundo lugar, a FAC acredita que o abuso, as atividades ilegais e o crime financeiro são comuns no mercado de cripto secundário. Além disso, a FAC argumenta que as criptomoedas são extremamente voláteis e que os usuários finais “não têm um conhecimento suficiente” dos ativos subjacentes. Por fim, a FCA afirma que investir em derivativos de criptomoedas é um investimento “prejudicial”. A autoridade reguladora declarou:

“Esses recursos significam que os consumidores de varejo podem sofrer danos de perdas repentinas e inesperadas se investirem nesses produtos (…), que inclui tokens bem conhecidos, como Bitcoin, Ether ou Ripple (XRP). Os investimentos especificados são tipos de investimento especificados na legislação. As empresas que realizam determinados tipos de atividades regulamentadas em relação a esses investimentos devem ser autorizadas pela FCA.”

A FCA do Reino Unido tem como alvo derivativos de Bitcoin, Ethereum e XRP

O regulador do Reino Unido afirma que a proibição dos derivados de criptomoedas economizará cerca de 53 milhões de libras por ano para os consumidores britânicos. Além da proibição, a FCA determinou proibir a distribuição e comercialização de quaisquer derivativos aos consumidores do Reino Unido. Especificamente, a FCA menciona os seguintes derivativos: opções, futuros, contratos por diferença (CFDs) e notas negociadas em bolsa (ETNs).

As medidas se aplicam a empresas e firmas “operando dentro ou fora do Reino Unido”. O Diretor Executivo de Estratégia e Competição da FCA, Sheldon Mills, declarou:

“Essa proibição reflete a seriedade com que consideramos o dano potencial para os consumidores de varejo nesses produtos. A proteção do consumidor é fundamental aqui.

 

A volatilidade significativa dos preços, combinada com as dificuldades inerentes de avaliar criptoassets de maneira confiável, coloca os consumidores de varejo em alto risco de sofrer perdas com a negociação de cripto-derivados. Temos evidências de que isso está acontecendo em uma escala significativa. A proibição oferece um nível apropriado de proteção.”

De acordo com o anúncio da FCA, as medidas proibitivas entrarão em vigor a partir de 6 de janeiro de 2021. O regulador pediu às empresas e firmas que negociam derivativos de criptomoedas que interrompam suas operações antes dessa data. Enquanto isso, o regulador aconselha os investidores a “ficarem alertas” para cripto-golpes. A partir de agora, eles qualificam todas as empresas que oferecem produtos derivados de criptomoedas para consumidores de varejo como “possíveis golpes”.

Em um documento separado, a FCA também esclareceu que suas medidas afetarão as empresas que emitem ou criam derivativos cripto, empresas que os distribuem (corretores, consultores financeiros e plataformas de investimento), empresas de marketing que fazem referência aos referidos derivativos, traders, consumidores e organizações de consumidores de varejo. No que diz respeito aos consumidores, a FCA declara:

Os consumidores de varejo com participações existentes podem permanecer investidos após a proibição, até que optem por desinvestir. Não há limite de tempo para isso e não exigimos ou esperamos que as empresas fechem as posições dos consumidores de varejo, a menos que os consumidores solicitem isso.

Fonte: CNF

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.