Relatório da ONU aponta que a Coreia do Norte armazena US$ 316 milhões em criptomoedas provenientes de ataques cibernéticos

Painel de especialistas da ONU lança luz sobre atividades de ataques cibernéticos da Coreia do Norte

Um painel de especialistas das Nações Unidas apresentou um relatório preliminar revisando as medidas contra a Coreia do Norte ao Comitê de Sanções da Coreia do Norte do Conselho de Segurança. Nikkei diz que obteve uma cópia do documento, observando que será tornado público após discussão e revisões pelos países membros do conselho.

O relatório destaca que “o roubo total de ativos virtuais por parte da Coreia do Norte de 2019 a novembro de 2020 está avaliado em aproximadamente $ 316,4 milhões”, citando um país não identificado. A Coréia do Norte supostamente usa ataques cibernéticos contra instituições financeiras e exchanges de criptomoedas para gerar dinheiro para apoiar suas armas de destruição em massa e programas de mísseis balísticos, de acordo com o relatório.

Além disso, o painel revelou que investigou atividades maliciosas da principal agência de inteligência da Coreia do Norte, chamada Reconnaissance General Bureau, uma entidade na lista negra de sanções da ONU. Suas atividades incluem “o direcionamento de ativos virtuais e provedores de serviços de ativos virtuais e ataques a empresas de defesa”.

“A análise preliminar, com base nos vetores de ataque e esforços subsequentes para lavar o produto ilícito, sugere fortemente ligações com a RPDC [República Democrática Popular da Coreia]”, disseram os especialistas da ONU.

Além disso, o painel disse que está investigando um hack em setembro de 2020 contra uma exchange de criptomoedas, durante a qual aproximadamente US$ 281 milhões em criptomoedas foram roubados. A análise de dados da Blockchain indica que este hack está relacionado a um segundo hack em outubro de 2020, onde $ 23 milhões foram roubados.

Acredita-se que o hack de $ 281 milhões seja o da exchange de criptomoedas Kucoin.

O relatório descreve ainda como a Coréia do Norte continua a lavar criptomoedas roubadas, trocando-as por moedas fiduciárias, como o dólar americano, por meio de corretores de balcão (OTC) na China.

Em seu relatório anterior, o painel da ONU descobriu que a Coreia do Norte acumulou US$ 571 milhões hackeando criptomoedas e empresas entre janeiro de 2017 e outubro de 2018.

Fonte: Bitcoin.com

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.