Relatório: Depois de comprar Bitcoin no fundo em março, as baleias continuam acumulando

Os investidores institucionais estão ficando mais interessados ​​na indústria de criptomoedas e têm acumulado Bitcoin desde o final do primeiro trimestre, de acordo com novas observações de pesquisadores da OKEx e Catallact.

Analisando os dados on-chain do Bitcoin e os comportamentos do mercado, um relatório colaborativo publicado pela OKEx insight – a divisão de pesquisa da OKEx crypto exchange – e a empresa de dados blockchain Catallact revela que investidores de dinheiro inteligente e participantes institucionais podem ter comprado BTC desde o surto da COVID-19 .

Na blockchain do Bitcoin, conforme a quantidade de BTC sendo negociada aumenta, o número de transações diminui. Em outras palavras, “quanto maior o movimento das moedas na blockchain do Bitcoin, menos comum ele é”.

Pequenas transferências se movendo com preço do Bitcoin

Mas, por um lado, transferências menores entre 0 e 1 BTC são mais dominantes na rede do Bitcoin. Os investidores de varejo e pessoas físicas comuns, em sua maioria, fazem transações desse porte. E o número de transações diárias dentro desta faixa acompanha de perto a tendência de preço do Bitcoin.

O número de pequenas transações diárias, por exemplo, viu uma diminuição significativa durante a quebra do mercado relacionada à COVID-19 em março e só começou a aumentar depois que o Bitcoin voltou à região de $ 10.000 em maio.

Para transferências de médio porte, o primeiro nível é entre 10 e 100 BTC, que pode ser de mineradores de Bitcoin ou grandes investidores de varejo. O número de transações diárias para este grupo diminuiu imediatamente após a quebra de março e “permaneceu menor do que o anterior”. Eles começaram a ver tendências de alta no final de junho.

O relatório sugere que a forte queda abalou alguns dos grandes investidores de varejo. Além disso, a atividade de transferência de mineradores caiu após o terceiro halving do Bitcoin que ocorreu em maio.

O próximo nível é para transferências entre 100 e 1.000 BTC. Durante o crash de março, essas transações tiveram um aumento significativo, antes de retomar sua tendência usual quase imediatamente.

Acumulação de investidores institucionais?

Ao contrário das outras transações, o relatório revelou algo interessante sobre escalas de transferência acima de 1.000 BTC, conhecidas como baleias reais.

As transações entre 1.000 e 5.000 BTC estavam em seus níveis mais altos em meados de março, quando os preços estavam baixos. Isso foi seguido por outra alta significativa em maio, quando o Bitcoin começou a ser negociado perto da região de $ 10.000.

O relatório revelou ainda que as transferências maciças entre 5.000 e 10.000 BTC “viram picos repetidos de meados de maio ao final de julho deste ano”, durante a consolidação de preços do Bitcoin. Isso reitera o relatório publicado em julho de que as baleias Bitcoin têm acumulado 50.000 BTC todos os meses.

btc_transactions_catallact-min (1)

Transações Bitcoin de 500-1000 BTC. Fonte: Catallact.

 

Considerando as possíveis razões para as tendências ascendentes das transações de baleias entre 5.000 e 10.000 BTC, o relatório sugere que podem ser transações de câmbio ou instituições e grandes investidores acumulando ou distribuindo seus ativos durante o período de consolidação, na esperança de que o preço aumente ainda mais ou diminua .

Embora a colaboração seja apenas especulativa, já que os dados da rede não podem revelar tudo, vários artigos anteriores sobre o CryptoPotato confirmam que as instituições demonstraram um interesse significativo em Bitcoin e criptomoedas este ano.

A Grayscale Investments, por exemplo, está em uma onda de compras de Bitcoin desde meados do primeiro trimestre, elevando seu AUM para mais de 401.385 BTC. Em maio, a empresa de gestão de ativos digitais foi manchete por comprar mais moedas mineradas desde o terceiro halving.

Fonte: CryptoPotato

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.