Sabrina Sato adere ao metaverso com Startup brasileira

Com a criação do ​avatar, a apresentadora Sabrina Sato, pretende expandir o alcance em público e em temáticas

Atentos à onda do metaverso, que promete movimentar bilhões de dólares em todo o mundo nos próximos anos, cinco empresários se uniram para criar a Biobots, empresa especializada na criação e desenvolvimento de produtos digitais, especialmente NFTs e avatares, ambos conectados ao metaverso.

A Biobots é uma Creative Code Tech, uma startup de criatividade e desenvolvimento de códigos de programação, que dá origem à produtos digitais.

“Para criar a Biobots, fizemos meses de pesquisas e estudos, além de conversar com especialistas em outros países. Entendemos que esse é um mercado em grande desenvolvimento, podemos até dizer que é uma herança ou extensão do mercado de games que é muito estabelecido aqui no Brasil. Nós acreditamos que esse é o futuro e que o sucesso no Brasil vai ser tão grande quanto o que já vemos nos Estados Unidos, principalmente agora com toda a movimentação do Facebook e Microsoft”, relata o CEO da empresa, Ricardo Tavares.

A Biobots já chega ao mercado com o primeiro trabalho desenvolvido, a Satiko, influenciadora virtual da Sabrina Sato. No caso dos avatares, a companhia também oferece uma gama completa de serviços como animação, consultoria comercial, conteúdo digital e gerenciamento de redes dessas personalidades. Além disso, a empresa já está em conversas avançadas com grandes marcas nacionais e internacionais, além de celebridades.

As fronteiras entre o real e o virtual começaram a ganhar contornos indefinidos para Sabrina Sato quando a influenciadora apresentou ao mundo o seu avatar. Satiko promete ser um híbrido da Sabrina Sato real com uma entidade digital com personalidade própria que chega para causar no metaverso.

“Satiko nasceu com a proposta de ampliar a forma como interajo e me comunico com vocês. Ela viverá experiências que não tenho tempo de viver e produzirá um conteúdo diversificado. Satiko tem vida e personalidade próprias”, afirmou Sabrina Sato.

Sabrina Sato e Satiko aproximam o público brasileiro do metaverso com uma experiência real, antecipando um padrão que talvez se torne comum em um tempo não muito distante. Futuristas e escritores de ficção científica nos oferecem diversos vislumbres de um mundo em que todos terão uma personalidade física, em carne e osso, e outra virtual.

Veja também: NFT é a palavra do ano de 2021 do Dicionário Collins

A novidade chega em um momento em que o mercado ganha cada vez mais adeptos ao redor do mundo. Só no primeiro semestre de 2021, o setor movimentou US$ 2 bilhões, montante mais de 20 vezes superior aos três meses anteriores e 131 vezes maior do que o montante movimentado entre janeiro e março de 2020, segundo dados do site NonFungible.com.

“O mercado de NFTs, avatares e metaverso ainda é novo para os brasileiros, mas observamos, por meio de pesquisas e estudos internos, que o país tem interesse em saber e aprender mais sobre o assunto. Nós entendemos o setor como uma extensão de games que é muito estabelecido aqui no Brasil e acreditamos que existem oportunidades ótimas para a empresa.” Explica Ricardo Tavares.

Foto de Neidson Soares
Foto de Neidson Soares O autor:

Conheceu esse universo dos criptoativos em 2016 e desde 2017 vem intensificando a busca por conhecimentos na área. Hoje trabalha juntamente com sua esposa no criptomercado de forma profissional. Bacharelando em Blockchain, Criptomoedas e Finanças na Era Digital.

neidson8