SEC lança relatório pedindo aos operadores de DeFi que entrem em contato

A US Securities and Exchange Commission (SEC) publicou um relatório sobre as regulamentações, riscos e oportunidades no ecossistema financeiro descentralizado.

A comissária da SEC, Caroline Crenshaw, publicou uma “Declaração sobre riscos, regulamentações e oportunidades do DeFi” em 9 de novembro, aconselhando plataformas financeiras descentralizadas a contatá-los.

Nele, ela reconheceu que a criptomoeda agora faz parte do vernáculo, seja em notícias, mídias sociais, entretenimento e em carteiras de investimentos.

Em um esforço para esclarecer o status regulatório do DeFi nos Estados Unidos, o relatório afirmou que, muitos produtos DeFi se assemelham aos do mercado financeiro tradicional. No final de agosto, a SEC fez parceria com a empresa de análise de blockchain AnChain.AI para monitorar o espaço DeFi.

DeFi Risco e Recompensa.

Crenshaw afirmou que, embora haja muitos avisos sobre os riscos associados ao DeFi, ele sofre limitações estruturais por não ser regulamentado.

“A abordagem atual de cuidado com o comprador dos participantes do DeFi não é uma base adequada para construir mercados financeiros reinventados.”

Ela acrescentou que a SEC é um dos muitos departamentos que têm jurisdição sobre o DeFi e, particularmente, sobre os títulos, mas nenhuma plataforma Defi foi registrada no regulador, ainda. Portanto, os participantes permanecem desprotegidos por qualquer estrutura legal que se aplique às finanças tradicionais.

Crenshaw encorajou os operadores de DeFi a procurarem o “FinHub” da Comissão para obter conselhos de especialistas sobre sua posição em relação aos regulamentos, acrescentando:

“É meu entendimento que o FinHub nunca recusou uma reunião e seu envolvimento é significativo.”

Ela afirmou que a fiscalização não é o caminho preferido, referindo-se à ordem de cessar e desistir da Blockchain Credit Partners em agosto. O regulador preferiria que mais projetos cumprissem voluntariamente os regulamentos, embora não tenha sido detalhado o que eles teriam que cumprir.

Existem dois obstáculos estruturais primários, Crenshaw apontou; falta de transparência e pseudonimato. Ela descreveu o primeiro como a criação de um “mercado de dois níveis“, no qual investidores profissionais e iniciados “colhem retornos extraordinários“. Em contraste, os investidores de varejo assumem mais riscos, pioram os preços e são “menos propensos a ter sucesso com o tempo“.

Esse foi o caso de vários projetos que tiveram grandes investimentos de capital de risco e agora são governados por essas baleias, que detêm a maioria dos tokens.

Um longo caminho a percorrer.

No geral, o sentimento foi positivo, pois a SEC está disposta a trabalhar mais de perto com o setor emergente de DeFi para ajudá-lo a amadurecer. No entanto, com os requisitos regulatórios reais ainda obscuros e sem clareza, há um longo caminho a percorrer.

Crenshaw concluiu que a agência esteve ativamente envolvida em discussões úteis com especialistas em DeFi e a porta permanece aberta, mas não houve promessas de um processo fácil ou rápido.

Fonte: CryptoPotato

Foto de Neidson Soares
Foto de Neidson Soares O autor:

Conheceu esse universo dos criptoativos em 2016 e desde 2017 vem intensificando a busca por conhecimentos na área. Hoje trabalha juntamente com sua esposa no criptomercado de forma profissional. Bacharelando em Blockchain, Criptomoedas e Finanças na Era Digital.

neidson8