SEC lista 9 tokens como títulos, saiba quais são

SEC

Caroline Pham, da CFTC, é contra a SEC de classificar 9 ativos digitais como títulos, “impondo” regulamentação

Caroline Pham, uma das cinco comissárias da Comissão de Negociação de Futuros de Commodities dos Estados Unidos, ou CFTC, expressou preocupação com as possíveis implicações de um caso que a Securities and Exchange Commission, ou SEC, abriu contra um ex-gerente de produtos da Coinbase. Conforme publicado pelo Cointelegraph.

Em um comunicado na quinta-feira, Pham disse que a reclamação da SEC contra o ex-gerente de produtos da Coinbase Ishan Wahi, seu irmão Nikhil Wahi e um associado Sameer Ramani “pode ter amplas implicações” além do caso, dada a rotulagem de nove tokens como “títulos de ativos cripto” que se enquadram competência do órgão regulador. A denúncia alegou que os Wahis e Ramani se envolveram em negociações privilegiadas usando informações confidenciais que Ishan obteve da Coinbase em relação a quais tokens seriam listados na bolsa para fazer compras antecipadamente.

Especificamente, a SEC se referiu a Powerledger (POWR), Kromatika (KROM), DFX Finance (DFX), Amp (AMP), Rally (RLY), Rari Governance Token (RGT), DerivaDAO (DDX), LCX e XYO, 9 das 25 criptomoedas diferentes que o trio supostamente usou para obter US$ 1,1 milhão em ganhos, como títulos. Pham disse que as ações da SEC constituem um exemplo de “regulamentação por imposição” em vez de abordar a questão de certos ativos criptográficos como títulos “por meio de um processo transparente que envolve o público a desenvolver uma política apropriada com a contribuição de especialistas”.

“A clareza regulatória vem de estar ao ar livre, não no escuro”, disse Pham. “Dado o interesse público primordial e as questões em aberto sobre os status legais de vários ativos digitais, como certos tokens de utilidade e tokens relacionados ao DAO, a CFTC deve usar todos os meios disponíveis para cumprir seu mandato estatutário de aplicar vigorosamente a lei e defender o Commodity Exchange Act.”

Uma atualização de quinta-feira para um post de abril da Coinbase em resposta ao caso sugeriu preocupações semelhantes, referindo-se às acusações da SEC como uma “distração infeliz”. A Procuradoria dos EUA para o Distrito Sul de Nova York também apresentou uma acusação em paralelo com o caso da SEC, mas não rotulou nenhum dos tokens envolvidos, incluindo Tribe (TRIBE), Alchemix (ALCX), Gala (GALA), Ethereum Name Service (ENS), POWR e XYO, como títulos.

“O DOJ não cobrou fraude de valores mobiliários”, disse a empresa. “Nenhum ativo listado em nossa plataforma são valores mobiliários”.

O diretor de aplicação da SEC, Gurbir Grewal, disse que seu caso contra os Wahis e Ramani foi baseado nas “realidades econômicas de uma oferta”, alegando que alguns dos ativos criptos usados ​​eram títulos. O regulador disse que buscava medidas cautelares permanentes, restituição e penalidades civis.

A CFTC e a SEC costumam reivindicar jurisdições sobrepostas quando se trata de regular ativos digitais nos Estados Unidos, rotulando-os como commodities ou títulos com base em suas respectivas agências. Em junho, os senadores Cynthia Lummis e Kirsten Gillibrand apresentaram um projeto de lei destinado a fornecer clareza regulatória para o espaço, dando à CFTC “autoridade clara sobre os mercados spot de ativos digitais aplicáveis”. No entanto, Lummis disse em uma entrevista na terça-feira que a legislação era “mais provável de ser adiada até o próximo ano”.

Foto de Washington Leite
Foto de Washington Leite O autor:

Formado em Administração de Empresas, sou entusiasta da tecnologia e fascinado pelo mundo das criptomoedas, me aventuro no mundo do trade, sendo um eterno aluno. Bitcoin: The money of the future

WashingtonLeite_