Shark Tank Kevin O’Leary só comprará Bitcoin extraído com energia limpa

Kevin O’Leary, a estrela do reality show Shark Tank, dobrou sua afirmação de que compraria apenas Bitcoin produzido com energia limpa.

O popular investidor Kevin O’Leary afirmou que só comprará Bitcoin extraído de forma sustentável em países ao redor do mundo usando energia limpa. Ele se distanciou das chamadas moedas de “sangue” mineradas na China, dizendo que nunca as comprará.

Bitcoin extraído na China é uma moeda de ”sangue”

A controvérsia em torno dos danos ambientais que a mineração de Bitcoin causa continua. O presidente da O’Shares – Kevin O’Leary, é o próximo a tocar no assunto. Durante uma recente entrevista à CNBC, o investidor afirmou que nunca compraria BTC extraído de forma diferente do que de forma sustentável em países que usam energia verde.

Em sua opinião, a criptomoeda primária tem duas faces completamente diferentes:

“Vejo nos próximos um ou dois anos dois tipos de moeda: moeda de sangue da China e moeda limpa minerada de forma sustentável em países que usam hidroeletricidade, não carvão.”

De acordo com a empresa analítica alemã Statista, a mineração BTC consome uma enorme quantidade de energia. Além disso, dados do recurso de mineração desenvolvido pela Universidade de Cambridge mostram que a China é responsável por 65% da produção de Bitcoin.

O’Leary, do Shark Tank, observou que não investiria em Bitcoin a menos que conhecesse os detalhes do processo de mineração da criptomoeda:

“Não estou comprando moeda a menos que saiba onde foi extraída, quando foi extraída, a proveniência dela. Não na China. Nenhuma moeda de sangue para mim. ”

Kevin O'Leary Bitcoin

Kevin O’Leary. Source Inc.com

 

Kevin O’Leary e seu relacionamento anterior com o BTC

No passado, O’Leary, também conhecido como “Mr. Wonderful”, tinha uma opinião altamente negativa sobre a criptomoeda primária chamando-a de “lixo”. Além disso, em 2019, ele o chamou de “moeda inútil porque você não pode entrar e sair dela em grandes quantidades”.

Avançando alguns anos, O’Leary começou a suavizar sua postura. Ele até disse que o respeita, mas não investirá uma grande quantidade de seu portfólio nele.

No entanto, ele finalmente se juntou ao clube “Eu mudei meu coração no Bitcoin” no início de março, como relatou o CryptoPotato.

Alguns anos depois de atacar a criptomoeda, O’Leary revelou que alocaria 3% de seu portfólio pessoal nela.

Fonte: CryptoPotato

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.