SkyBridge Capital quer investir em ativos digitais e Bitcoin, revela arquivamento na SEC

Fundado por Anthony Scaramucci, a SkyBridge está de olho na exposição a Bitcoin, altcoins e ICOs no todo ou em parte

A firma de investimento global SkyBridge Capital, sediada em Nova York, fundada por Anthony Scaramucci, protocolou o Formulário 424B3 na Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC) em 13 de novembro e, de acordo com esta esse formulário, o fundo de $ 3,6 bilhões da empresa começará a investir em Bitcoin.

Segundo o documento, “a Empresa pode buscar exposição a ativos digitais (conforme definido neste documento) investindo em Fundos de Investimento que fornecem exposição a ativos digitais e em empresas que fornecem tecnologias relacionadas a ativos digitais ou outras tecnologias emergentes.”

O fundo deseja manter posições de ‘long e short’ em ativos digitais, conhecidos como “moedas virtuais” e “criptomoedas”, sem nenhum valor intrínseco a não ser como um método de troca, diz o documento.

Embora tenham um histórico limitado, esses ativos extremamente voláteis normalmente “não são emitidos ou apoiados por nenhum governo, banco ou organização central”. Esses ativos digitais podem ser negociados em bolsas não regulamentadas ou fora dos Estados Unidos e podem ser encerrados permanentemente.

Além disso, afirma que não se deve esperar que esses ativos sejam correlacionados ou conectados às forças econômicas ou de mercado tradicionais, pois eles podem desvalorizar rapidamente, chegando a zero.

“Os Fundos de Investimento podem investir em ativos digitais sem restrição de capitalização de mercado ou recursos ou atributos tecnológicos (incluindo ativos digitais menos conhecidos ou novos conhecidos como “altcoins”) e podem investir em ofertas iniciais de moedas, que historicamente têm sido sujeitas a fraude. ”

O investimento pode ser parcial ou total em ativos digitais ou tecnologias que são “altamente disruptivas, e os sucessos futuros de tais tecnologias são altamente incertos”.

Por ser um espaço nascente, as empresas nas quais os investimentos serão realizados podem ser “rapidamente eclipsadas por avanços tecnológicos mais recentes e disruptivos que tornam os ativos digitais ou tecnologias atuais desatualizados ou indesejáveis”.

Cobrindo o aspecto regulatório, o relatório diz que é “indefinido e se desenvolve rapidamente” e está sujeito a “incertezas significativas”. Isso significa que os governos federal, estadual ou estrangeiros podem restringir o uso e troca de ativos digitais a qualquer momento, o que pode limitar ainda mais a capacidade dos fundos de investimento de buscar estratégias de investimento em ativos digitais ou fazer com que os ativos digitais percam significativamente, ou todo, seu valor.

Fonte: BTC EG

Foto de Marcelo Roncate
Foto de Marcelo Roncate O autor:

Estudante de História e trader aposentado. Segue firme como entusiasta do Bitcoin e inimigo declarado das pirâmides financeiras.