Startup lança campanha de financiamento de cripto para processo contra a SEC

Novo fundo já arrecadou mais de US$5 milhões para ação judicial contra a SEC

Em uma recente publicação do Unchained, podcast focado em criptomoedas conduzido por Laura Shin, foi revelado que Ted Livingston, CEO da empresa de mídia social canadense Kik e criador da Fundação Kin, e Patrick Gibbs, sócio da Cooley, estão lançando um fundo para levar a SEC à justiça.

Chamado Defend Crypto, o fundo aparentemente possui o objetivo de arrecadar US$5 milhões em uma conta na Coinbase Custody para entrar com uma ação contra a SEC visando a revisão dos tokens de cripto para determinar quais são classificados como títulos.

“A SEC tem moldado o futuro das criptomoedas nos bastidores com assentamentos que estabelecem um precedente perigoso e sufocam a inovação.”, diz o site oficial do fundo.

A frase lembra muito a colocação da comissária Hester Peirce, da SEC, que afirmou anteriormente que a falta de ação da comissão estava sufocando o setor.

Aparentemente a Kik já possui uma história com a SEC, visto que no ano passado a comissão anunciou que iria realizar uma ação de execução contra a empresa e o Ecossistema da Fundação Kin por causa da arrecadação de US$100 milhões na ICO do token KIN, ativo lançado pela empresa.

No entanto, aparentemente as coisas ficaram quietas após tanto a Kik quanto a Kin publicarem sua resposta à comissão, explicando que a venda simbólica não era uma oferta de títulos e detalhando como seu token não se enquadra neste requisito. Também foi anunciado pelo Wall Street Journal um plano das empresas para combater a ação da SEC no Tribunal.

Caso a SEC decida prosseguir com sua ação, as empresas estão prontas para uma grande briga jurídica, visando estabelecer uma nova lei que defina quando tokens de cripto são e não são valores mobiliários.

De acordo com o site da campanha, até o momento foram doados US$5.374.245, sendo que a iniciativa aceita a doação de 19 criptomoedas, entre elas Bitcoin, Ethereum, Litecoin, EOS, Stellar, e o token KIN.

Foto de Beatriz Orlandeli
Foto de Beatriz Orlandeli O autor:

Simpatizante das criptomoedas, após cursar Arquitetura e Urbanismo, reavivou um antigo gosto pela escrita e atualmente trabalha como redatora do WeBitcoin.

biaorlandeli