Suprema Corte Indiana dá prazo de duas semanas para que o governo crie diretrizes para criptomoedas

A decisão foi tomada após semanas de adiamentos

Após quase dois meses de atrasos, a Suprema Corte indiana levantou o caso contra a proibição bancária de criptomoedas e estipulou um prazo de 2 semanas para que o governo arquive um depoimento sobre o tópico.

Inicialmente, a corte planejava ouvir as petições contra a proibição imposta pelo Reserve Bank of India (RBI), em setembro. Entretanto o caso foi repetidamente adiado, até que nesta quinta-feira, 25 de outubro, foi novamente levantado e colocado em pauta.

De acordo com Nischal Shetty, CEO da Wazirx, companhia indiana de criptografia, o governo havia criado um comitê para atender as demandas do setor. Entretanto, nenhum relatório foi apresentado até o momento.

Segundo Shetty, o comitê deve enviar um relatório ao tribunal para que todos vejam, ou informar sobre as decisões tomadas em relação às criptomoedas.

Leia mais: China: Tribunal de Arbitragem caracteriza Bitcoin como propriedade para solucionar disputa judicial

Subsash Chandra Garg, líder do comitê, declarou anteriormente que as diretrizes dos criptoativos estariam prontas em setembro. No entanto, relatórios apontam que não haverá conclusão até o final do ano.

Em abril, o RBI emitiu uma circular proibindo instituições financeiras  de fornecer serviços para empresas relacionadas a criptomoedas. Logo em seguida, diversos participantes do setor entraram com petições contra a medida, que entrou em vigor em junho.

Posteriormente, os bancos indianos se recusaram a manter negócios com as exchanages, levando várias delas a desenvolverem a própria solução para contornar a proibição.

Ontem, o WeBitcoin noticiou que a presidente da Nasscom, influente indústria de TI indiana, declarou que criptomoedas são “claramente ilegais”.

Recentemente o cofundador da Unocoin foi preso por operar um terminal ilegal de Bitcoin no país. De acordo com outro fundador, o terminal estava inativo por ainda estar em fase de teste.

Leia mais: Entrevista: Comunichain explica o caso MinerWorld

FONTE: BITCOIN.COM

Foto de Beatriz Orlandeli
Foto de Beatriz Orlandeli O autor:

Simpatizante das criptomoedas, após cursar Arquitetura e Urbanismo, reavivou um antigo gosto pela escrita e atualmente trabalha como redatora do WeBitcoin.

biaorlandeli