Tarifas impostas por Trump podem lesionar mercado de mineração chinês, com destaque para Bitmain

Analista aponta que os EUA estão investindo cada vez mais no setor

De acordo com o South China Morning Post, a Bitmain, empresa de hardware de mineração de criptomoedas, é a companhia que possui mais potencial de exposição às tarifas impostas em agosto pelo presidente americano Donald Trump.

Recentemente, o “carro-chefe” da Bitmain, o Antminer S9, foi classificado pelas autoridades americanas como “aparelho de maquinário elétrico”, estando sujeito a uma tarifa de 2,6%.

Antes da reclassificação, o Antminer participava da categoria de produtos sujeitos a uma tarifa adicional de 25%, o que eleva a tarifa total dos fabricantes para 27,6%.

Em setembro deste ano, a Bitmain entrou com um pedido de IPO em Hong Kong, com o objetivo de levantar US$3 bilhões.

Leia mais: Comitê de políticas tributárias japonês quer simplificar impostos sobre criptomoedas

Mark Li, analista sênior da Stanford C., outra companhia que está sendo lesada pelas tarifas, declarou que a medida imposta por Trump irá tornar o setor de mineração chinês menos competitivo em relação aos concorrentes.

De acordo com dados de um relatório deste mês, as vendas de hardware de mineração sofreram uma queda de mais de 50%, passando de US$1,8 bilhão para US$850 milhões.

Bem Gagnon, co-fundador da Lutech, empresa que trabalha com mineração de Bitcoin, declarou que nos últimos 18 meses os EUA aumentaram os investimentos em mineração.

“Todos os fabricantes de plataforma de mineração da China provavelmente serão afetados pela mudança nas tarifas”, disse.

Anteriormente, a Bitmain chegou a declarar que suas finanças poderiam ser afetadas “devido às condições econômicas e políticas”.

Recentemente, a equipe do WeBitcoin noticiou que a China abriga atualmente mais de 70% de todo hash de mineração de Bitcoin do mundo, porcentagem que pode não se manter caso o objetivo dos EUA seja investir pesado no setor.

Leia mais: Armênia acaba de lançar uma das maiores mineradoras de Bitcoin e Ethereum do mundo

FONTE: CCN